Economia

Ao UOL, Lula indica que mercado não vai colocar cabresto nele

Ronilso lembrou a pressão que o presidente Lula recebeu para indicar uma mulher negra para o Supremo Tribunal Federal após a aposentadoria da ministra Rosa Weber.

Acho que é uma reprodução do próprio governo do presidente. Toda dificuldade, todo debate em torno, por exemplo, da nomeação de uma pessoa negra, de uma mulher negra, mais especificamente, pro STF, as justificativas continuam sendo as mesmas.

Passou, fez a sua escolha, o embate ali ficou marcado, mas é difícil imaginar que esse argumento continue sendo alimentado como se ele fosse minimamente razoável, porque não é. Ele tem condições de fazer uma sondagem, uma conversa, fazer um governo com a cara do Brasil, que não seja a cara do Brasil no sentido de torná-lo apenas mais colorido, mas no sentido de reconhecer que realmente os tempos são outros e esse passo precisa ser dado. Ele não vai ser dado sem esforço, ele não vai ser dado sem verdadeiramente forçar barra.

Tem que forçar a barra a partir do momento em que o país não tem essa cultura, o país não tem essa tradição, o país é marcado por lugares, racialmente falando, que a gente sabe exatamente como é. Então não é razoável a fala do presidente, por mais que eu compreenda que ele funcione em outro tempo, eu acho que ele tem assessoria e informações suficientes para poder fazer com que as coisas sejam diferentes, com que esse argumento não seja mais justificável. Ronilso Pacheco, colunista do UOL

Josias: Lula foi contraditório e omisso ao abordar questão da maconha

Lula quis fazer média com o Congresso e se comportou de forma oportunista em relação ao STF [Supremo Tribunal Federal] após a decisão de descriminalizar o porte de maconha para uso pessoal, afirmou o colunista Josias de Souza. O presidente disse que o consumo de maconha é um tema de saúde pública que deve ser tratado pela ciência, e não pelos Poderes.

Matéria: UOL Economia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo