Política

Ataque do Hamas está entre “crimes mais graves”, diz procurador do TPI

O britânico Karim Khan, procurador-geral do Tribunal Penal Internacional, afirmou neste domingo, 3, que os ataques terroristas do Hamas em 7 de outubro contra “civis israelenses inocentes” representam alguns dos crimes internacionais mais graves.

Khan reuniu-se neste fim de semana com familiares das vítimas dos ataques. Ele também visitou o kibutz Be’eri, Kfar Aza e o local do festival de música eletrônica onde foram mortos principalmente jovens.

O procurador classificou os atos dos membros do Hamas como crueldade deliberada que choca a consciência da humanidade”.

“Apelo para a libertação imediata e incondicional de todos os reféns feitos pelo Hamas e por outras organizações terroristas. Não há justificativa para manter reféns e menos ainda para a flagrante violação dos princípios fundamentais da humanidade, ao sequestrar crianças e continuar a mantê-las em cativeiro”, disse.

“Os reféns não podem ser tratados como escudos humanos ou moeda de troca”, acrescentou.

O procurador do TPI visitou Israel nos últimos dias a pedido de sobreviventes e das famílias das vítimas dos ataques do Hamas. Ele afirmou que sua viagem “não tem caráter de investigação”, mas disse que uma das prioridades de seu gabinete é analisar os crimes cometidos pelo Hamas.

Ao menos 136 reféns ainda estão detidos na Faixa de Gaza, segundo as Forças de Defesa de Israel. O número inclui 17 mulheres e crianças.

Leia também:

Hamas violou acordo de libertar mulheres e crianças, diz ministro de Israel

 

Matéria: O Antagonista

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo