Economia

Azul vai comprar a Gol? Como ficam a concorrência e os preços de passagens?

Febeliano aponta que podem existir dificuldades na conversão da frota, já que a Gol opera exclusivamente Boeings 737, enquanto a Azul opera, principalmente, aeronaves da família Airbus A320 e Embraer.

A Azul ganharia em participação de mercado e em escala. A possível desvantagem seria a conveniência de conversão da frota de Boeing para Airbus, que levaria muito tempo — são 140 aviões, e o processo seria demorado. Significaria manter equipes de pilotos diferentes, e estruturas de manutenção e suporte duplicadas. A joia da coroa, para a Azul, seriam os slots de Congonhas, muito importantes para aumentar a visibilidade da empresa entre os passageiros de negócios. Para a Gol, significaria provavelmente o fim da marca. A Abra [holding que controla a Gol e a Avianca, da Colômbia], nesse panorama, também sairia prejudicada, porque perderia uma presença hoje muito importante no mercado brasileiro
Adalberto Febeliano

Ainda sobre a concentração do mercado, Febeliano aponta que poderia haver uma pequena redução no tráfego em função da eventual diminuição da oferta de voos e aumento de preços. “[Ainda,]Algumas empresas estrangeiras, notadamente Air France e American, poderiam perder suas redes de captação e de distribuição de passageiros no mercado doméstico, favorecendo suas concorrentes (no caso dos EUA, Delta e United)”, afirma o especialista.

Maior empresa do setor

Seguindo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) de 2023, Gol e Azul tiveram, juntas, cerca de 60% de participação do mercado, a maior do setor. A compra seria uma maneira de a Azul expandir sua fatia na aviação brasileira de uma forma rápida, mas pode não chegar aos dois terços do setor.

A compra precisaria ser analisada pelo Cace (Conselho Administrativo de Defesa Econômica), órgão ligado ao governo federal. Seriam analisadas as sobreposições de rotas, por exemplo, o risco de monopólio em algum segmento, entre outras atividades que poderiam causar algum impedimento concorrencial.

Matéria: UOL Economia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo