Política

Bolsonaro diz a Milei que voltará à Presidência e que Lula será seu ministro do Turismo

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou ao presidente eleito da Argentina, Javier Milei, que Lula (PT) integrará a sua equipe caso vença as eleições de 2026 e volte à Presidência da República.

“Ele vai ser o meu ministro do Turismo”, disse Bolsonaro ao argentino, segundo ele mesmo relata à coluna. Bolsonaro está inelegível por determinação do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas sua defesa questiona a decisão.

O ex-presidente foi recebido por Milei em um hotel de Buenos Aires.

Ele estava sozinho quando Bolsonaro chegou, acompanhado do deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP), seu filho, e do ex-secretário das Comunicações Fabio Wajngarten, hoje advogado do ex-presidente.

Segundo eles, Milei gritou quando viu Bolsonaro, numa manifestação de alegria. Os dois se abraçaram, junto com Eduardo, e passaram a falar sobre a realidade do país vizinho.

Milei disse que está confiante de que terá uma boa base para governar, já que se aliou ao centro já no segundo turno da campanha presidencial.

“Eu expliquei para ele que, no Brasil, os libertários, como o MBL [Movimento Brasil Livre], pregaram o voto nulo”, afirmou Eduardo Bolsonaro à coluna.

No meio da conversa, Patricia Bullrich se somou ao grupo. Ela concorreu à Presidência da Argentina contra Milei no primeiro turno, mas se aliou a ele na segunda rodada. E será a ministra da Segurança do país.

Segundo um dos presentes, Milei a elogiou para Bolsonaro e agradeceu o apoio, afirmando que deve a sua vitória também a ela.

O ex-mandatário viajou ao país vizinho na quinta (7) para participar da solenidade de posse, que ocorrerá no domingo (10).

Embora tenha sido acompanhado por uma extensa comitiva de aliados, apenas alguns deles puderam participar do encontro reservado com o futuro presidente argentino.

Um vídeo que registrou cenas do encontro entre Bolsonaro e Milei mostra que, além de Eduardo Bolsonaro e de Wajngarten, puderam entrar na sala o presidente do PL, Valdemar Costa Neto, e o ex-ministro Gilson Machado Neto.

Após o encontro reservado, Milei e Bullrich posaram para foto com mais de dez aliados do ex-preisdente, incluindo deputados federais da bancada do PL. “Viva a liberdade” e “mito” foram alguns dos gritos entoados durante o clique, compartilhado nas redes sociais por alguns dos participantes.

Bolsonaro recebeu na segunda-feira (4) os convites oficiais para a cerimônia de posse. O argentino, desta forma, manteve o convite que fez diretamente ao ex-presidente logo após ser eleito.

Antes do embarque, os advogados do ex-presidente enviaram uma petição ao ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Alexandre de Moraes para informá-lo que o ex-presidente viajaria.

Em maio, quando determinou uma ação de busca e apreensão na casa de Bolsonaro, o magistrado ordenou a retenção de seu passaporte.

O documento, no entanto, não foi levado pelos policiais e está em poder do ex-presidente. Para viajar à Argentina, Bolsonaro não necessita do passaporte. É possível entrar no país com a carteira de identidade (RG) do Brasil.

“Em atenção às investigações em curso e com profundo respeito a este juízo, o peticionário [Jair Bolsonaro] vem aos autos informar que estará temporariamente ausente do país no período compreendido entre os dias 7 e 11 de dezembro”, disse a petição, revelada pela coluna.

“A ausência se dará em razão de viagem a Buenos Aires, onde participará da cerimônia de posse de Javier Milei na Presidência da Argentina, a convite do próprio presidente eleito”, afirmou ainda.

A petição foi assinada pelos advogados Paulo Bueno, Daniel Bettamio Tesser, Fabio Wajngarten, Saulo Segall, Thais de Vasconcelos Guimarães, Clayton Soares e Bianca Lima.

com BIANKA VIEIRA, KARINA MATIAS e MANOELLA SMITH

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo