Saúde

Caminhar pode ser um poderoso remédio para dores nas costas

Médicos e fisioterapeutas há muito tempo incorporam exercícios aeróbicos em programas de tratamento para dores lombares. O movimento pode simultaneamente aliviar a dor lombar e também fortalecer os músculos que sustentam as costas. Ainda assim, muitas pessoas com dor nas costas podem hesitar em se exercitar.

Um novo estudo, publicado no último dia 19 na Lancet, oferece mais evidências sobre o poder do movimento. O estudo descobriu que uma rotina regular de caminhada pode ser muito eficaz para prevenir a recorrência da dor nas costas. O estudo colocou o foco em adultos com histórico de dor lombar. Aqueles que caminhavam regularmente passaram quase o dobro do tempo sem que sua dor voltasse em comparação ao grupo de controle.

Os novos achados estão alinhados com um grande corpo de pesquisas existentes que estabeleceu uma associação entre atividade física e melhores resultados para a dor nas costas. Uma revisão sistemática de 2019 descobriu que a atividade física reduziu a prevalência da dor nas costas. E um estudo de 2017 descobriu que a ioga funcionou tão bem quanto a fisioterapia para aliviar a dor nas costas.

O novo estudo se baseia nesta pesquisa ao seguir pacientes fora de um ambiente clínico controlado rigidamente. Mark Hancock, professor de fisioterapia na Universidade Macquarie, na Austrália, e autor sênior do estudo, procurou avaliar a eficácia de uma intervenção menos dispendiosa que poderia ser mais acessível para muitas pessoas do que o tratamento em clínica.

Hancock e uma equipe de pesquisadores direcionaram um grupo de amostra relativamente sedentário. Os pesquisadores coletaram dados de 701 adultos que haviam se recuperado recentemente de um episódio de dor lombar. Eles foram divididos aleatoriamente em dois grupos: um grupo recebeu um programa individualizado de caminhada e educação, facilitado por um fisioterapeuta ao longo de seis sessões em um período de seis meses. O outro grupo não recebeu nenhuma intervenção. Os pesquisadores acompanharam ambos os grupos nos próximos um a três anos.

O objetivo para cada pessoa no grupo de caminhada era caminhar cinco vezes por semana por pelo menos 30 minutos diários —mas o programa foi altamente personalizado com base na idade, índice de massa corporal, nível de atividade atual, restrições de tempo e objetivos pessoais.

Os participantes do grupo de caminhada também receberam um programa de educação para ajudá-los a entender melhor e responder à sua dor. Quando os pacientes tinham um aumento da dor lombar, eram encorajados a continuar caminhando, mas ajustar sua velocidade e distância conforme necessário. Hancock diz que quando muitas pessoas experimentam um aumento da dor, muitas vezes querem proteger as costas e evitam o movimento.

“A educação mudou a maneira como eles pensavam sobre isso e os fez ser mais ativos —e permanecer ativos quando tinham alguma dor nas costas”, diz Hancock.

As novas descobertas também ecoam as conclusões de uma meta-análise de 2020 de 25 estudos sobre prevenção da dor lombar, da qual Hancock foi coautor. Na meta-análise, os pesquisadores descobriram que o exercício regular, combinado com educação física, era a maneira mais eficaz de prevenir a recorrência da dor lombar.

Embora existam muitas causas diferentes para a dor lombar, muitas vezes a causa raiz é ter uma “base de suporte fraca”, diz Hamza Khalid, médico do Centro de Saúde da Coluna do Cleveland Clinic. Caminhar pode ajudar a fortalecer os grupos musculares que ajudam a estabilizar a coluna, principalmente os músculos do core. A fraqueza do core pode levar à fadiga, desalinhamento da coluna e dor, diz ele.

Quase 7 em cada 10 pessoas que se recuperam de um episódio de dor lombar terão uma recorrência no ano seguinte, de acordo com a pesquisa de Hancock.

“O exercício é como remédio”, diz Dr. Khalid, enfatizando também que não é uma “pílula mágica”. Se sua dor nas costas for crônica ou complexa, seu médico ou fisioterapeuta pode ajudá-lo a adaptar um programa de exercícios às suas necessidades específicas.

Ainda assim, mover o seu corpo provavelmente ajudará. Neste ponto, Hancock diz: “As evidências são bastante esmagadoras”.

Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo