Economia

Como o bilionário Marcelo Claure ergue um novo império – e tenta superar o ‘fantasma’ WeWork

(Bloomberg) – O currículo de Marcelo Claure está repleto de sucessos: fundar uma distribuidora multinacional de telefonia móvel, realizar a complexa fusão da Sprint e da T-Mobile e ajudar a conduzir a trajetória de conto de fadas do clube de futebol espanhol Girona, para citar alguns. Por isso, irrita o bilionário boliviano-americano de 53 anos que, na consciência pública, ele seja provavelmente mais conhecido pelas suas ligações à WeWork, startup que implodiu depois de ter sido avaliada em US$ 47 bilhões.

Claure foi designado por seu chefe do SoftBank, Masayoshi Son, para estabilizar a companhia em 2019, depois de desistir de um IPO (oferta pública inicial de ações) em meio a uma perigosa crise de caixa. Ele supervisionou a contenção do negócio, reduzindo custos e diminuindo sua presença, ao mesmo tempo que professava total confiança na recuperação. Mas a pandemia desferiu o golpe final, pois a empresa continuou a perder bilhões mesmo no momento da sua listagem via SPAC no final de 2021.

Agora Claure está formando seu próprio império de investimentos – informado igualmente pela sabedoria e pelos erros de Son – que ele descreve com uma grandiloquência que evoca o seu antigo empregador.

Seu family office Claure Group está em busca de negócios em inteligência artificial (IA) e energias renováveis ​​(“você não pode ser um verdadeiro investidor se não estiver em IA e clima”), adquiriu uma participação significativa na empresa chinesa de fast fashion Shein (“uma das empresas mais icônicas dos nossos tempos”), e está avaliando formas de revolucionar o futebol nos EUA na sequência do sucesso improvável do Girona (“provavelmente uma das melhores equipas do mundo do futebol”).

Um fantasma chamado WeWork

Embora Claure tenha deixado o SoftBank em 2022 e a WeWork tenha entrado em falência no ano passado, o drama em torno da startup não desapareceu. No início deste mês, Adam Neumann, seu fundador, surgiu como um potencial interessado na empresa hoje destruída. O fato de Neumann, 44 anos, ter recursos para fazer uma oferta se deve em parte a Claure – que, como presidente da WeWork, negociou um pacote de saída que deu a ele US$ 291 milhões em dinheiro, mais US$ 578 milhões pela venda de suas ações da WeWork e US$ 430 milhões em um empréstimo do tipo “non-recourse” (sem exigência de garantias) do SoftBank.

Claure, que disse que Neumann já ligou para pedir conselhos, não se desculpa. “Esse foi o preço a pagar para podermos retomar o controlo do negócio”, disse em entrevista, observando que Son ditou os termos. “Adam não precisou dar as chaves a ninguém”.

O desastre da WeWork sublinha o desafio de escapar à sombra do SoftBank, um dos investidores mais idiossincráticos do mundo, que tinha US$ 413,6 bilhões em ativos no pico, em março de 2021. Claure passou oito anos trabalhando com a empresa japonesa, primeiro como CEO da Sprint, empresa de seu portfólio, e depois como diretor de operações do SoftBank.

Nessa função, ajudou a executar planos de recuperação em empresas escolhidas a dedo por Son, algumas das quais foram adquiridas pelo Vision Fund, seu carro-chefe, a preços elevados – e desde então perderam valor. Sua passagem por lá o tornou rico, embora não o suficiente para seu gosto. Saiu depois de não chegar a um acordo com “Masa” sobre o pedido de Claure de US$ 1 bilhão em pagamento.

Da Shein ao sonho de fabricar carros elétricos

Num dia de janeiro, Claure, com mais de um metro e oitenta de altura, está sentado em uma sala de conferências em seu escritório no Meatpacking District, em Manhattan. Sua escala em Nova York é breve. Claure, cuja residência principal é em Miami, passa grande parte do tempo na estrada e frequentemente mostra as viagens no X (antigo Twitter), postando fotos de aviões particulares e posando com políticos, executivos, familiares e celebridades.

Só em 2024, ele esteve em Las Vegas para o Super Bowl, Madrid para uma partida do Girona, além de China, Singapura, Arábia Saudita – onde sua nova equipe de corrida de barcos elétricos perdeu para a de Tom Brady –, Abu Dhabi, Doha, Brasil, Argentina, Davos, França e várias ilhas do Caribe.

Claure disse que possui US$ 4 bilhões em ativos em sua empresa privada, um número que inclui um nível variável de dívida que ele se recusou a especificar. Com a ajuda de seu diretor de investimentos, Diego Dayenoff, ex-executivo do Key Square Group, Claure apostou em diversos setores, incluindo imobiliário, tecnologia e moda.

Seu investimento mais notável é a Shein, que se prepara para um IPO nos EUA, apesar de enfrentar preocupações sobre alegadas violações de copyright e sobre o fornecimento de algodão na região chinesa de Xinjiang, associada ao trabalho forçado.

No outono passado, ele comprou uma participação majoritária em uma empresa de engenharia australiana, a Ausenco, ao lado da Eldridge, de Todd Boehly, para se aprofundar na mineração. Ele tem um plano de longo prazo para extrair lítio no Chile, na Argentina e, eventualmente, na Bolívia. Seu país natal abriga a maior concentração mundial de reservas de lítio, atualmente controlados pelo Estado.

“Dificilmente na história do mundo houve um país que controlasse um terço da commodity mais importante para impulsionar a transição energética”

— Marcelo Claure

O governo boliviano permitiu que certas empresas privadas estrangeiras fizessem parceria com a mineradora estatal no processamento e extração, mas o metal ainda não foi produzido em quantidades comerciais. “Quero ter certeza de que meu país utiliza esses ativos de maneira adequada”. Seu sonho é que suas minas de lítio alimentem uma gigafábrica de carros elétricos no México ou no Brasil.

Olhos atentos à América Latina

Claure, que já comandou o fundo do SoftBank para a América Latina, continua apostando na região em sua carreira solo. Ele fundou a Bicycle Capital, empresa de capital de risco com foco na América Latina, em junho com Shu Nyatta, colega do SoftBank, e com o apoio do fundo estatal de Abu Dhabi, o Mubadala. Ele também comprou uma grande participação na empresa de investimentos brasileira EB Capital em outubro.

Está competindo com – e, em alguns casos, se sobrepondo a – seu antigo empregador nos negócios. Tanto a Bicycle quanto o fundo LatAm do SoftBank, por exemplo, investiram na startup brasileira Gympass. Ao deixar o SoftBank, Claure negociou o recebimento de parte dos recursos líquidos dos fundos da América Latina. O valor de mercado da sua carteira era de R$ 6,3 bilhões em 31 de dezembro de 2023, acima dos US$ 6 bilhões no final de setembro.

Ele disse que a Bicycle e o fundo SoftBank colaboram em negócios e descartaram a noção de qualquer conflito de interesses. “Só espero que eles se saiam bem”, afirmou. Claure elogiou Son como “um gênio” em termos de sua visão de tendências que mudam o mundo, como a IA. Mas se irrita com o fato de os fracos retornos do Vision Fund terem manchado o nome do SoftBank, apesar dos seus sucessos – muitos dos quais, salienta, estiveram sob a sua supervisão.

Claure quase se juntou à equipe de gestão do Vision Fund em 2019, mas mudou de rumo após confrontos prolongados com o CEO Rajeev Misra. Em vez disso, ele se concentrou nas operações, incluindo ajudar a administrar empresas como Sprint, ARM Holdings, Fortress Investment Group e SoFi Technologies.

A primeira entrega de Claure para Son foi dar uma reviravolta na Sprint, o que envolvia conduzir a empresa de telecomunicações através de um emaranhado de preocupações regulatórias relacionadas à sua fusão com a T-Mobile em 2020. A experiência reforçou suas credenciais em relações governamentais, que foram úteis para seu papel auxiliando a expansão global da Shein. Também lhe rendeu uma participação na T-Mobile que agora vale mais de US$ 1,1 bilhão.

Numa vantagem típica dos executivos do SoftBank, a empresa emprestou a Claure US$ 515 milhões para comprar a participação. O empréstimo vence em julho e Claure disse que planeja reembolsá-lo integralmente. Disse que também deve ao SoftBank US$ 196 milhões por empréstimos recebidos para comprar ações da empresa.

No SoftBank, Claure era conhecido como “o cara de operações”, aquele que executava e implementava. Agora, o que o definiu é exatamente o que ele pretende evitar ao administrar seu family office. “O tema recorrente é que não administramos nada”, disse Claure sobre seus investimentos globais e industriais. “Esta é a parte de maior sucesso da minha vida, quando tenho o poder de fazer o que quero com quem eu quiser.”

©2024 Bloomberg L.P.

Quer ficar por dentro das principais notícias que movimentam o mundo dos negócios? Inscreva-se e receba os alertas do novo InfoMoney Business por e-mail.

Infomoney

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo