Política

Confederações querem manter desigualdade salarial de mulheres, dizem centrais

Centrais sindicais criticaram nesta quinta-feira (14) a decisão das confederações da Indústria (CNI) e de Bens, Serviços e Turismo (CNC) de entrarem com ações no STF (Supremo Tribunal Federal) contra a Lei de Igualdade Salarial e afirmaram que as entidades querem manter a diferença salarial entre homens e mulheres.

A nota é assinada pelos presidentes da CUT (Central Única dos Trabalhadores), da Força Sindical, da UGT (União Geral dos Trabalhadores), da CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), da NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores) e da CSB (Central dos Sindicatos Brasileiros).

No documento, as centrais afirmam que a CNI e a CNC tentam destruir no Supremo a lei, que prevê salário igual entre homens e mulheres na mesma função sob pena de multa.

Os sindicatos ressaltam que “não se trata de um projeto de um governo ou de uma parcela da sociedade, mas que foi aprovado por ampla maioria no Congresso Nacional, com apoio de partidos de diferentes orientações políticas.”

As centrais rebatem o argumento das confederações de que há hipóteses em que a diferença é justificada e lembram que a lei deixa claro que os salários devem ser iguais para pessoas que desempenham a mesma função e cumprem a mesma carga horária. “Nada justificaria tal diferença a não ser, justamente, a questão de gênero”, afirmam.

“Os representantes patronais desconsideram até mesmo dados econômicos que seriam relevantes para seus próprios interesses, uma vez que estudos demonstram que o fim de práticas discriminatórias contra as mulheres no mercado de trabalho estimularia o crescimento econômico, conforme apontou relatório recente do Banco Mundial”, continua a nota.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo