Saúde

Distrair a mente durante viagens de metrô é uma arte

Não posso ficar sozinha refletindo, durante minha lotada e muitas vezes atrasada jornada para o trabalho em Londres, que se cada um de nós tiver uma média de 4.000 semanas de vida nesta Terra abençoada, como o escritor Oliver Burkeman tão proveitosamente apontou, então esta é uma maneira ruim de gastar uma grande proporção desse tempo.

Mas, é claro, se eu estivesse sozinha, esse problema não surgiria. Eu estaria de volta em casa, onde posso ganhar a vida sem distrações e sem odores de outras pessoas —ou vídeos— para interferir.

Eu costumava amar a Central Line [linha do metrô de Londres]. Era um presente diário ser levada tão facilmente abaixo das vias de oeste a leste em seu tapete mágico —whoosh! Em meus primeiros empregos após a universidade, era o cenário para a imersão nos grandes: posso relembrar das viagens lendo “Anna Karenina” nos mesmos trens em que estou hoje (ou seus predecessores) desde que não me detenha no trágico final temático ferroviário.

Transportes de deleite, de fato. Mas não tenho tempo para isso nos dias de hoje —tenho que trocar para a sempre quente Bakerloo Line, aquele enorme forno para assar humanos. Junto com meus colegas viajantes, então começo a fazer várias tarefas e responder emails. Estamos essencialmente no trabalho.

Pior, os misteriosos ruídos de moagem do metrô não conseguem abafar completamente o zumbido psíquico de fundo do uso frenético de aplicativos de mindfulness. Não importa “Hábitos Atômicos” [livro de James Clear sobre criar bons hábitos], esses são níveis radioativos de desespero —a busca por um pouco de calma habilitada pela tecnologia na tempestade urbana.

Os podcasts de saúde mental e os planos de desenvolvimento pessoal sem dúvida ajudam muitas pessoas em emergências e problemas crônicos. Mas será que a meditação frenética é melhor para você do que apenas ficar olhando para o espaço ou observando as pessoas? Às vezes, isso fica um pouco William Blake, eu admito. “Marcas de tristeza” em “cada rosto” tendem a ser esmagadoramente o caso por volta das 8h45 de uma quarta-feira.

Desligar-se é uma habilidade de vida. E a maioria dos espaços liminares e fatias de tempo intermediárias foram roubados por temíveis inimigos modernos: o onipresente smartphone e a busca por aproveitar cada segundo para máxima produtividade. Ambos são culpados em moldar as “algemas forjadas pela mente” de hoje, para citar Blake novamente.

Se a vida é uma jornada, para usar a metáfora universal, concordo que não é ideal se for uma jornada repetitiva com o mesmo destino todos os dias de trabalho. Mas viajar com esperança é melhor do que chegar —e quando você deixa sua mente vagar livremente, ela traz alegrias inesperadas e devaneios nutritivos. Talvez os sapatos sensacionais daquela mulher. O perfil deste homem. O que é uma gravata? você se pergunta. Por que uma gravata? E uma cidade não é um triunfo da vontade humana?

Os leitores masculinos provavelmente estão pensando no Império Romano neste momento —vá em frente, divirtam-se com os cachos de uvas ao alcance da imaginação.

Um pensamento pós-Covid, se você conseguir: um bom truque é passar pelo trabalho em casa cedo, depois viajar para saborear as alegrias do escritório mais tarde de manhã —até durante o almoço. Isso evita a aglomeração e torna mais suportável ponderar sobre o mesmo azulejo sujo, ou sentir sua mão roçar o mesmo tecido áspero dos assentos do metrô.

E para aqueles que se comprometem com esta crença de espaços liminares e momentos roubados, aqui está uma maneira de recriar os benefícios (caso ocorra outro bloqueio pandêmico). O tecido loucamente gráfico da rede de ônibus, trem e metrô de Londres está em oferta especial na loja online do museu de transporte, tornando a peculiar atmosfera do horário de pico alcançável em casa: o “moquette”, como é conhecido, pode ser seu por £16 por metro. Eu poderia costurar minha própria Central Line e ler “Guerra e Paz”.

Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo