Economia

Do Mar Negro ao Meio-Oeste dos EUA, clima extremo ameaça a produção agrícola

A previsão de seca no celeiro agrícola da região do Mar Negro provavelmente prejudicará o rendimento da produção de girassol e milho, enquanto as fortes chuvas nos Estados Unidos, após temperaturas quase recordes, ameaçam afetar as safras, afetando os suprimentos mundiais e elevando os preços.

“A previsão do tempo para a região do Mar Negro é um grande sinal de alerta”, disse Chris Hyde, meteorologista da Maxar, sediada nos EUA, com a secura e as chuvas abaixo do normal previstas para julho e agosto provavelmente prejudicando as principais safras de milho e girassol da região.

As temperaturas recordes nas principais regiões de cultivo do mundo atrasaram o plantio e prejudicaram as culturas em desenvolvimento, à medida que o impacto da mudança climática se intensifica, com vastas áreas de terras agrícolas na Rússia, China, Índia e Estados Unidos passando por condições extremamente quentes e chuvas abaixo do normal.

Os preços globais do trigo saltaram para uma alta de 10 meses em maio, depois que o clima adverso reduziu os rendimentos da safra em maturação na Rússia, o maior exportador.

O clima quente no sul da Rússia afetará as colheitas devido à falta de umidade no solo, com menor precipitação e calor também esperados nos Urais, na Sibéria Ocidental e na Transbaikalia, informou o Centro Hidrometeorológico da Rússia em uma previsão.

O sul e o leste da Ucrânia também registraram clima quente e seco, com precipitação entre 1º de maio e 10 de junho de apenas 20-50% do normal, de acordo com o meterologista estatal, com a seca prejudicando o desenvolvimento das colheitas de inverno e primavera em partes das regiões de Kharkiv e Donetsk.

“O mês de maio na Ucrânia acabou sendo um dos mais secos dos últimos 30 anos”, disseram os meteorologistas. “Nas regiões do norte, em particular em Zhytomyr, o granizo resultou em danos às culturas de primavera, como milho, soja e girassol.”

Nos Estados Unidos, um dos principais exportadores de alimentos, o calor intenso tomou conta de partes da costa leste, enquanto as chuvas excessivas na principal região de cultivo do Meio-Oeste e as previsões de mais tempo úmido aumentaram os temores de enchentes.

“No Meio-Oeste, o foco está mudando do calor para o excesso de chuva, o que pode resultar em inundações nas áreas produtoras de milho e soja, especialmente no Meio-Oeste superior”, disse Hyde.

CLIMA NA CHINA E NA ÍNDIA ESTÁ MELHORANDO

Na Ásia, a expectativa é de que as chuvas abundantes aliviem a severa seca em partes da China, um dos principais compradores de soja, enquanto as chuvas durante as monções da Índia, que estão um quinto abaixo do normal, devem se recuperar, impulsionando a agricultura no maior exportador de arroz do mundo e principal importador de óleo comestível.

“O norte e o leste da China, produtores de milho e soja, têm estado secos e preocupantes”, afirmou Hyde. “Mas espera-se que o clima fique normal ou ligeiramente acima da precipitação normal no período de julho a setembro, o que será benéfico para as plantações.”

O centro meteorológico da China disse à Reuters que partes das províncias do norte, nordeste e oeste terão maior precipitação de julho a setembro, o que incentivará o crescimento das plantações.

“Mas a precipitação será intensa em algumas áreas e será necessário estar atento a mudanças rápidas nas secas e inundações”, disse, acrescentando que a maior umidade também pode aumentar o risco de doenças e pragas nas plantações.

Na Índia, as monções estão avançando depois de ficarem paradas por mais de uma semana, disse um funcionário do departamento de meteorologia.

“Ela agora ganhou o impulso necessário para avançar para as planícies do norte. Nas próximas semanas, esperamos vários períodos de chuvas fortes que eliminarão o déficit de chuvas. Julho está se preparando para ser promissor.”

Espera-se que o clima na Austrália seja normal, com algumas áreas recebendo chuvas acima da média, aumentando a previsão para a safra de trigo, enquanto para Argentina e Brasil a expectativa é de clima principalmente normal nos próximos meses.

Com reportagens adicionais de Pavel Polityuk em Kiev, Olga Popova em Moscou, Mei Mei Chu em Pequim e Rajendra Jadhav em Mumbai

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo