Economia

Economistas já falam em corte de juros nos EUA apenas em 2025

Os Estados Unidos pareciam estar a caminho de um final digno de conto de fadas no seu combate à inflação. As altas rápidas nos preços que começaram em 2021 parecia estar esfriando de verdade, e o crescimento econômico havia começado a se moderar gradualmente após uma série de aumentos nas taxas de juros do Federal Reserve.

Mas 2024 trouxe uma série de surpresas: a economia está se expandindo rapidamente, as altas no mercado de trabalho são inesperadamente fortes e o progresso na inflação mostra sinais de estagnação. Isso poderia resultar em uma conclusão muito diferente.

Em vez do “pouso suave” que muitos economistas pensavam estar em andamento — quando a inflação desacelera à medida que o crescimento esfria suavemente sem uma recessão dolorosa — os analistas estão cada vez mais preocupados de que a economia dos Estados Unidos na verdade não está fazendo nenhum tipo de pouso.

Em vez de se estabilizar, a economia parece estar em alta, à medida que os preços continuam a subir mais rapidamente do que o normal.

Mas um destino “sem pouso algum” pode parecer bastante bom para o típico cidadão americano. A inflação está longe de ser tão alta quanto estava em seu pico em 2022, os salários estão subindo e os empregos são abundantes.

Mas isso causaria problemas para o Federal Reserve, que tem se empenhado em controlar os aumentos de preços de volta ao seu alvo de 2%, um ritmo lento e constante que o Fed considera consistente com a estabilidade de preços. As autoridades elevaram as taxas de juros drasticamente em 2022 e 2023, levando-as a um patamar de duas décadas em uma tentativa de conter o crescimento e a inflação.

Se a inflação ficar estagnada em um nível elevado por meses a fio, isso poderia levar o Fed a manter as taxas altas por mais tempo na tentativa de esfriar a economia e garantir que os preços sejam totalmente controlados.

“A persistência de alta dos números da inflação” provavelmente “faz com que os funcionários do Fed pensem que talvez a economia esteja muito aquecida no momento para cortes nas taxas”, disse Kathy Bostjancic, economista-chefe da Nationwide. “Atualmente, nem mesmo estamos vendo um ‘pouso suave. Não estamos vendo o pouso.”

Kathy Bostjancic, economista-chefe da Nationwide, previu que os cortes de juros agora podem ser adiados para o outono, se acontecerem em 2024.

“Agora achamos que setembro, se começarem a cortar as taxas, é mais provável do que julho”, disse a Sra. Bostjancic. O novo relatório “abala a confiança de que a inflação está nesta tendência de queda”.

Se o Fed não cortar as taxas em breve, a eleição poderia tornar o início das reduções mais politicamente complicado. Os banqueiros centrais são independentes da Casa Branca e geralmente insistem que não fazem política com base no calendário político.

Ainda assim, cortar nos meses que antecedem a eleição poderia colocar os formuladores de políticas sob os holofotes partidários: o ex-presidente Donald J. Trump, o provável candidato republicano, já retratou possíveis cortes de juros como uma manobra política para ajudar os democratas. Taxas mais baixas tendem a beneficiar os incumbentes, pois fortalecem a economia.

Na quarta-feira, as autoridades do Fed receberam um sinal fresco de que a economia pode não estar pousando tão suavemente quanto esperado. A inflação mostrou que os preços subiram mais do que o esperado em março.

O índice de preços ao consumidor ficou em 3,8 por cento em base anual depois que os custos de alimentos e combustíveis foram excluídos. Após meses de queda constante, esse indicador de inflação tem se mantido ligeiramente abaixo de 4% desde dezembro.

Embora o Fed oficialmente tenha como alvo outra medida de inflação, o índice de despesas de consumo pessoal, o novo relatório foi um sinal claro de que os aumentos de preços continuam persistentes. Dias antes, o relatório de empregos de março mostrou que os empregadores adicionaram 303 mil trabalhadores, mais do que o esperado, enquanto o crescimento dos salários permaneceu forte.

A combinação de um crescimento forte e inflação persistente pode dizer algo sobre o estado da economia dos EUA, que a qualquer momento pode estar em uma das quatro situações, disse Neil Dutta, chefe de economia da Renaissance Macro, uma empresa de pesquisa.

A economia pode estar em uma recessão, quando o crescimento cai e eventualmente puxa a inflação para baixo. Pode estar em estagflação, quando o crescimento cai, mas a inflação permanece alta. Pode estar em um pouso suave, com desaceleração do crescimento e da inflação. Ou pode experimentar um boom inflacionário, quando o crescimento é forte e os preços sobem rapidamente.

No final de 2023, a economia parecia estar caminhando para uma desaceleração benigna. Mas nos dias de hoje, os dados são menos moderados.

“Você tinha muitas fichas colocadas no balde do pouso suave, e constantemente isso vem se erodindo e a probabilidade de um boom inflacionário voltou”, disse o Sr. Dutta. “Isso reforçou o enquadramento do Fed, que é que temos tempo antes de decidir sobre cortes de taxas.”

Os funcionários do Fed entraram em 2024 prevendo três cortes de taxa antes do final do ano, o que teria reduzido os juros para cerca de 4,6% em relação aos atuais 5,3%. As autoridades mantiveram essa previsão em suas projeções econômicas de março.

Mas, à medida que a inflação e a economia em geral mostram força, os investidores têm reduzido constantemente quantos cortes de taxa estão esperando.

A precificação de mercado sugere que os traders estão agora apostando fortemente em apenas um ou dois cortes de taxa este ano. Os mercados também esperam menos cortes em 2025 do que anteriormente antecipavam.

As autoridades do Fed têm adotado um tom cada vez mais cauteloso ao falar sobre quando e quanto podem reduzir os custos de empréstimos.

Jerome H. Powell, o presidente do Fed, enfatizou repetidamente que o crescimento forte dá aos banqueiros centrais a capacidade de serem pacientes em relação à redução das taxas de juros.

Em uma economia com tanto vigor, há menos risco de manter os juros altos por um tempo e levar os Estados Unidos a uma recessão.

Alguns de seus colegas têm sido ainda mais cautelosos. Neel Kashkari, presidente do Fed de Minneapolis, sugeriu que poderia ver um cenário em que o Fed não reduz as taxas de juros em 2024. Kashkari não vota sobre as taxas de juros este ano, mas ele está na mesa de formulação de políticas.

A política do Fed influencia o custo de empréstimos em toda a economia, o que seria uma má notícia para os lares que esperam que as taxas de hipoteca ou cartão de crédito diminuam. E isso poderia representar um problema político para o presidente Biden antes das eleições de 2024 se os custos de empréstimos elevados deixarem os eleitores se sentindo piores em relação ao mercado imobiliário e à economia.

Biden disse na quarta-feira que mantinha sua previsão de que o Fed reduziria as taxas de juros este ano — um comentário incomum de um presidente que geralmente evita falar sobre a política do Fed em respeito à independência do banco central em relação à Casa Branca.

“Isto pode atrasar um mês ou algo assim — não tenho certeza disso,” disse o Sr. Biden.

Muitos acham que as altas taxas de hoje podem persistir por um período consideravelmente mais longo. Muitos economistas e investidores esperavam anteriormente cortes nas taxas para começar em junho ou julho. Após o relatório de inflação desta semana, os investidores veem cada vez mais cortes nas taxas começando em setembro ou mais tarde.

Blerina Uruci, economista-chefe dos EUA na T. Rowe Price, observou que quanto mais tempo a inflação permanecer estável, mais ela poderá atrasar os cortes nas taxas: os funcionários provavelmente vão querer ver evidências convincentes de que o progresso em direção a uma inflação mais baixa foi retomado antes de reduzir os custos de empréstimos.

E à medida que a possibilidade de a economia não estar realmente se estabilizando se aproxima, alguns economistas e autoridades sugerem que a próxima ação do Fed pode até ser um aumento da taxa — e não uma redução. Michelle Bowman, membro do Fed, disse que continua a ver um risco de que “possamos precisar aumentar ainda mais a taxa de política caso o progresso na inflação estagne ou até reverta.”

Bostjancic acha improváveis novos aumentos nas taxas neste momento: a maioria dos funcionários do Fed ainda está falando sobre cortes. Ainda assim, os dados recentes sugerem que pode ser necessário um longo período de juros estáveis para a economia se acalmar e para o progresso em direção a uma inflação mais baixa ser reiniciado.

“Mais provavelmente, eles vão apenas manter as taxas neste nível por mais tempo,” disse ela.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo