Economia

Entenda a controvérsia que dividiu o mercado de compensação de carbono

Quando os maiores financiadores e impulsionadores do mercado de compensações de carbono, de US$ 2 bilhões (mais de R$ 10 bilhões), se reuniram em Londres no mês passado, o encontro foi anunciado como uma série de discussões técnicas sobre temas como contabilização de emissões.

Mas, pelo menos para alguns participantes, também parecia haver outro motivo: apresentar argumentos sobre por que a iniciativa Science Based Targets, o maior e mais respeitado verificador de metas climáticas corporativas, é o principal impedimento para o crescimento de um mercado que defensores consideram crucial na luta contra as mudanças climáticas.

Em um mundo cheio de greenwashing, a SBTi se tornou um padrão de excelência amplamente reconhecido em responsabilidade de emissões devido aos seus critérios rigorosos para planos de emissões líquidas zero. Atualmente, ela limita como as empresas podem usar compensações —créditos que as empresas podem comprar para supostamente neutralizar sua poluição— para alcançar suas metas verdes.

A questão é uma das mais divisivas entre os especialistas em clima. Poderosos defensores, incluindo o ex-enviado climático dos EUA John Kerry, argumentam que eles são necessários para direcionar dinheiro para projetos importantes de sustentabilidade, enquanto críticos dizem que é quase impossível verificar o verdadeiro impacto dos instrumentos e que eles permitem que os compradores evitem fazer outras mudanças difíceis.

As reuniões do mês passado foram organizadas pelo Bezos Earth Fund, um apoiador do crescimento do mercado voluntário de carbono e um dos dois principais financiadores da SBTi, bem como pela Children’s Investment Fund Foundation. A Bloomberg Philanthropies, a organização filantrópica de Michael Bloomberg, fundador e proprietário majoritário da Bloomberg LP, é um financiador específico do projeto da SBTi.

Elas foram realizadas em um espaço de trabalho no distrito de Clerkenwell, em Londres. Inicialmente, organizações sem fins lucrativos que desejam manter padrões rígidos para metas corporativas de emissões líquidas zero não foram convidadas, embora tenham sido posteriormente adicionadas à lista de convidados, de acordo com fontes familiarizadas com o evento.

Dois representantes da SBTi estavam presentes e enfrentaram uma enxurrada de pedidos implícitos e diretos para relaxar sua posição sobre compensações de carbono de líderes sêniores de padrões de mercado de carbono proeminentes e grupos de lobby, disseram as fontes.

Menos de um mês depois, em 9 de abril, a SBTi anunciou uma mudança de rumo em relação às compensações que pegou até mesmo sua equipe de surpresa: o grupo iria flexibilizar suas regras sobre como as empresas podem usar créditos de carbono para reduzir suas emissões relatadas. Isso levaria a um boom no mercado de compensações de carbono, que recentemente foi abalado por turbulências. A BloombergNEF projeta que tal mudança poderia ajudar a demanda anual a disparar para US$ 1,1 trilhão (R$ 5,6 trilhões) em 2050.

Em um comunicado, uma porta-voz do Bezos Earth Fund disse que, embora forneçam financiamento para a SBTi, “não tomamos decisões por eles, não fazemos parte de seu conselho e não estivemos envolvidos” no anúncio de 9 de abril. Ela disse que o espaço era limitado na sala de reuniões e eles acomodaram o maior número possível de participantes.

“Permanecemos dedicados a garantir que qualquer uso de mecanismos de mercado de alta integridade esteja sujeito a rigorosos limites e regras para que qualquer uso de créditos de carbono de alta integridade aprimore, em vez de minar, a integridade das metas climáticas corporativas”, acrescentou.

Oficiais da CIFF confirmaram em um comunicado por escrito que co-convocaram a reunião de Londres para abordar questões urgentes de contabilidade climática e definição de metas. Um porta-voz acrescentou que qualquer decisão de introduzir maior “flexibilidade” em compensações “deve ser baseada na ciência e análise técnica.”

Enquanto a SBTi havia buscado anteriormente limitar o uso de créditos de carbono para compensar emissões residuais, ou aquelas que não podem ser reduzidas por outros meios, a organização disse na terça-feira (9) que agora planeja expandir suas regras. Isso permitiria que as empresas utilizassem certificados ambientais, incluindo créditos de carbono, para ajudar a compensar a pegada climática de suas cadeias de suprimentos, também conhecidas como emissões “escopo 3”.

A mudança indignou os membros da equipe da SBTi, que pediram a renúncia do CEO do grupo e dos membros do conselho em uma carta de 10 de abril. Os funcionários argumentaram que o conselho violou as regras e procedimentos da SBTi ao tomar essa decisão unilateralmente, em vez de contar com orientação da equipe ou do conselho técnico independente da SBTi, que não foi informado ou consultado.

Em 12 de abril, a SBTi acrescentou um adendo ao seu comunicado anterior, enfatizando que “nenhuma mudança foi feita nos padrões atuais da SBTi” e que quaisquer alterações em suas regras passarão por todos os seus procedimentos padrão. O grupo não respondeu à reportagem.

Emissões Desafiadoras

A controvérsia em curso traz grandes implicações para a ação climática e a busca de um futuro com menos carbono. A SBTi não apenas exige que as empresas estabeleçam metas climáticas ambiciosas, mas também tomem medidas se as corporações não cumprirem. A organização removeu centenas de empresas, incluindo a Amazon.com Inc., de sua lista de empresas que estão agindo em relação às metas climáticas.

As emissões do escopo 3 podem ser especialmente desafiadoras. As montadoras compram peças de centenas de fornecedores, os varejistas adquirem seus produtos de milhares de empresas menores, as gigantes de alimentos compram ingredientes de milhares de fazendas. O impacto climático do cultivo dessas safras ou da fabricação desses produtos todos contribuem para as emissões do escopo 3 de uma empresa.

Até o momento, muitos gigantes corporativos têm sido lentos em lidar com essas emissões do Escopo 3. Um relatório recente da Transformers Foundation, por exemplo, descobriu que as marcas de roupas não estavam fazendo o suficiente para incentivar ou financiar a redução de gases de efeito estufa em toda a sua cadeia de suprimentos, com a ação climática ainda sendo “largamente abordada como um problema dos fornecedores”.

“A posição tradicional na SBTi é que serão necessárias medidas extraordinárias, como colaboração com concorrentes e outras coisas inovadoras, para lidar com suas emissões do escopo 3”, diz Robert Hoglund, um consultor climático e membro do grupo consultivo técnico da SBTi. “Isso é difícil, muito a longo prazo, trabalho complicado. Mas é isso que a SBTi tem tentado incentivar. E se você pudesse usar créditos de carbono em vez disso, seria muito mais fácil não fazer esse trabalho árduo.”

Discussões Tensas

As mudanças propostas foram recebidas com entusiasmo por muitos praticantes do mercado de carbono, que veem a flexibilização das diretrizes como uma forma de estimular uma enorme demanda por créditos de carbono, o que traria muito dinheiro para projetos de carbono em países em desenvolvimento.

A qualidade desses projetos de redução de carbono frequentemente tem sido decepcionante, com projetos de compensação frequentemente entregando benefícios climáticos muito menores do que o anunciado, de acordo com uma série de relatórios investigativos da Bloomberg Green e de outros veículos de notícias.

Os defensores dos créditos de compensação pressionaram seu caso durante a reunião do mês passado em Londres, mesmo que o tópico não devesse estar em foco. De acordo com uma agenda, as conversas deveriam abordar questões relacionadas à contabilização das emissões de gases de efeito estufa, com Kelley Kizzier, da Bezos Earth Fund, programada para moderar algumas das discussões. Dois dias adicionais foram dedicados a questões relacionadas ao planejamento de transição. O workshop não era destinado a ser um fórum de tomada de decisões. O Bezos Earth Fund disse que Kizzier não moderou nenhum painel.

Mas a reunião ainda deu aos participantes muitas oportunidades para criticar a SBTi. Em uma sessão, palestrante após palestrante apontou a posição do grupo sobre o uso de créditos de carbono como uma grande barreira para o crescimento do mercado, disseram as pessoas familiarizadas com o evento. Uma alegação foi que a SBTi estava essencialmente bloqueando o fluxo de fundos críticos para apoiar a ação climática em países em desenvolvimento.

Em conversas paralelas durante os intervalos, vários participantes pressionaram os representantes da SBTi presentes, Alberto Carrillo Pineda e Scarlett Benson, para flexibilizar sua postura, disseram duas pessoas. Em um caso, um participante pró-créditos chegou a fazer contato físico com um deles, segurando-os pelo ombro, enquanto tentava transmitir o quão importante é que a SBTi relaxe suas regras, de acordo com pessoas que testemunharam o incidente.

Pineda encaminhou perguntas para a equipe de comunicação da SBTi, enquanto Benson se recusou a comentar.

Esta não foi a primeira vez que pressão foi aplicada sobre a SBTi para relaxar sua postura em relação aos créditos de compensação. Luiz Amaral, CEO da SBTi, que nesta semana enfrentou pedidos de renúncia, teve uma ideia de quão profundas são as emoções no mercado de carbono na COP28 em Dubai, quando foi convidado para um jantar organizado por financiadores de várias iniciativas climáticas e enfrentou duras críticas pela abordagem da SBTi em relação aos créditos de carbono, de acordo com uma fonte familiarizada com a reunião.

Amaral não respondeu às tentativas de contato da reportagem.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo