Tecnologia

Furacão Beryl de categoria extrema deixa mortos e se aproxima da Jamaica

As previsões de que o furacão Beryl seria um evento extremo e daria início a uma forte temporada se confirmaram. O furacão deixou pelos menos 7 pessoas mortas durante sua passagem pelo Caribe e agora está indo para Jamaica. Apesar do estrago, o fenômeno começou a perder força e caiu de categoria 5 (a mais alta) para a 4 (a segunda mais alta).

Para onde o furacão Beryl está indo?

O Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos (NHC) informou que o furacão deve chegar ainda hoje na Jamaica, com ventos “extremamente poderosos”. O comunicado pede ainda que a população busque abrigo.

Ainda de acordo com o órgão, o fenômeno deve ir para as Ilhas Cayman até a noite da próxima quinta-feira (4). Neste momento não é possível saber a rota do evento após isso e nem se ele vai perder mais força.

Furacão sobre o Oceano Atlântico. Crédito: Harvepino – Shutterstock

Por que o furacão Beryl é considerado tão perigoso?

Segundo o National Hurricane Center (NHC), uma tempestade tão poderosa no início da temporada de furacões, que vai do início de junho ao final de novembro no Atlântico, é extremamente rara. Uma das explicações para o fenômeno são os oceanos mais quentes. A temperaturas das águas na região está até 3°C acima da média, reflexo direto das mudanças climáticas.

De acordo com um especialista ouvido pelo G1, quanto mais quente a água, mais combustível para que tempestades ganhem força e de forma rápida, exatamente como aconteceu com o Beryl.

Leia mais

Temporada de furacões “acima do normal”

  • De acordo com a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica dos Estados Unidos (NOAA), há 85% de chance de uma temporada de furacões “acima do normal”.
  • Neste cenário, a expectativa é que sejam registradas entre 17 a 25 tempestades com ventos de pelo menos 39 quilômetros por hora, além de oito a 13 furacões.
  • O mais grave é a previsão de quatro a sete grandes furacões, com capacidade de destruição expressiva.
  • Para efeito de comparação, houve uma média de 14,4 tempestades, 7,2 furacões e 3,2 grandes furacões por temporada entre 1991 e 2020.

Olhar Digital

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo