Política

Governo federal reconhece estado de emergência em Maceió

O governo federal autorizou o reconhecimento do estado de situação de emergência em Maceió, devido aos danos causados pelo afundamento de uma mina de exploração de sal-gema da empresa Braskem.

A medida será publicada hoje, 1º, no Diário Oficial da União. Órgãos de Defesa Civil expressam preocupação com o possível colapso da estrutura a qualquer momento.

O Ministério da Integração e do Desenvolvimento Regional (MIDR) informou que está acompanhando de perto a situação na capital alagoana, que tem sofrido abalos sísmicos consecutivos causados pelas atividades de mineração da Braskem.

Nesta sexta-feira, o ministro Waldez Góes participou de uma reunião com a equipe da Defesa Civil Nacional que está no local. O objetivo do encontro foi apresentar as informações levantadas e traçar uma estratégia em parceria com as defesas civis estadual e municipal para atender à população afetada.

Tanto a Defesa Civil Nacional quanto o Gade (Grupo de Apoio a Desastres) já monitoram a situação há algum tempo. Por determinação do presidente Lula e do presidente em exercício, Geraldo Alckmin, todas as medidas necessárias estão sendo tomadas para auxiliar Alagoas caso seja necessário. A situação de emergência na cidade de Maceió será reconhecida ainda hoje, e os recursos necessários serão repassados para apoiar a população, destacou o ministro.

Os bairros de Mutange, Pinheiro e Bebedouro são os mais afetados pelos abalos sísmicos recentes causados pela movimentação da cavidade de uma das minas da Braskem. Ontem, 30, a prefeitura de Maceió decretou situação de emergência por 180 dias devido ao iminente colapso da mina 18, que pode resultar no afundamento do solo em vários bairros. A área já está desocupada e a circulação de embarcações da população está restrita na região da Lagoa Mundaú, no bairro do Mutange.

Segundo informações da Defesa Civil de Maceió, a última medição apontou que a movimentação vertical acumulada na área é de 1,42 metro e a velocidade vertical é de 2,6 centímetros por hora.

A empresa Braskem afirmou em nota que continua monitorando a situação da mina 18 e tomando as medidas necessárias para minimizar o impacto de possíveis ocorrências. A área está isolada desde terça-feira, 28, e a empresa ressalta que não há moradores na região desde 2020.

A Braskem implementou um monitoramento com equipamentos de última geração para detectar qualquer movimentação no solo e permitir o acompanhamento das autoridades, bem como a adoção de medidas preventivas, como as que estão sendo adotadas atualmente.

De acordo com a empresa, os dados atuais de monitoramento indicam que a acomodação do solo continua concentrada na área dessa mina e pode ocorrer gradualmente até a estabilização ou de forma abrupta.

Das 35 cavidades exploradas pela Braskem, nove receberam a recomendação da Agência Nacional de Mineração (ANM) de serem preenchidas com areia. Cinco delas já tiveram o preenchimento concluído, em outras três os trabalhos estão em andamento e uma não precisa mais ser preenchida com areia, pois está pressurizada. Além disso, em outras cinco cavidades foi confirmado o processo de autopreenchimento.

As demais 21 cavidades estão sendo tamponadas e/ou monitoradas, sendo que sete delas já tiveram o trabalho concluído. As atividades para o preenchimento da cavidade 18 estavam em andamento, mas foram suspensas preventivamente devido à movimentação atípica no solo, conforme informou a Braskem.

Leia também:

Renan Calheiros ameaça ir ao STF por CPI da Braskem

Colapso em Maceió: senador pede ajuda a Alckmin

Desacelera o deslocamento do solo em região de mina em Maceió

Bairro próximo a mina em Maceió afunda 5cm por hora

Ministro de Lula defende instalação da CPI da Braskem

Lira quer ajuda de Lula para conter crise em Maceió

Braskem vai indenizar Maceió em R$ 1,7 bi por afundamento de bairros

Matéria: O Antagonista

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo