Economia

Grupo de segurança liderado por China-Rússia é pilar da ordem global, diz Putin a Xi

ASTANA (Reuters) – O presidente russo, Vladimir Putin, e Xi Jinping, da China, exaltaram seu clube de segurança euro-asiático nesta quarta-feira como uma força para a estabilidade global em uma cúpula do órgão regional, visto por Moscou e Pequim como uma ferramenta para combater a influência ocidental.

Putin e o presidente chinês expandiram a Organização para Cooperação de Xangai (OCX), um clube fundado em 2001 com Rússia, China e países da Ásia Central, para incluir Índia, Irã e Paquistão, como um contrapeso ao Ocidente.

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de crescimento para os próximos meses e anos 

Continua depois da publicidade

“A organização se estabeleceu firmemente como um dos pilares fundamentais de uma ordem mundial justa e multipolar”, disse Putin, acrescentando que relações bilaterais entre Moscou e Pequim estão em seu melhor momento na história.

“Nossa cooperação não é dirigida contra ninguém, não estamos criando blocos ou alianças, estamos apenas agindo de acordo com os interesses dos nossos povos”, afirmou Putin.

Em seus comentários de abertura, Xi disse a Putin que China e Rússia deveriam “manter a aspiração original de amizade por gerações” em resposta a “uma situação internacional em constante mutação”.

Continua depois da publicidade

Ao chamar Putin de “velho amigo”, Xi fez referência ao progresso que os dois países tiveram ao colocar em prática “planos e acordos para o próximo desenvolvimento de relações bilaterais”.

Segundo o Kremlin, Putin realizou uma série de reuniões bilaterais durante a cúpula da OCX, realizada em Astana, capital do Cazaquistão, com térmico previsto para a quinta-feira.

A OCX promove abordagens comuns a ameaças externas de segurança, como tráfico de drogas, e também foca no combate a qualquer instabilidade doméstica.

Continua depois da publicidade

Antes da reunião com Xi, Putin se encontrou com o presidente turco, Tayyip Erdogan, o primeiro-ministro paquistanês, Shehbaz Sharif, e os presidentes de Azerbaijão e Mongólia, Ilham Aliyev e Ukhnaagiin Khurelsukh.

A Índia afirmou que o primeiro-ministro Narendra Modi, esperado em Moscou ainda neste mês, não participará da reunião em Astana e enviará o ministro das Relações Exteriores, Subrahmanyam Jaishankar, em seu lugar.

PARCERIA “SEM LIMITES”

Continua depois da publicidade

China e Rússia declararam uma parceria “sem limites” em fevereiro de 2022, quando Putin visitou Pequim dias antes de enviar tropas à Ucrânia. Desde então, Xi e Putin aprofundaram as relações.

Os dois acreditam que a era pós-Guerra Fria dominada pelos Estados Unidos está desmoronando. Os EUA consideram a China sua principal concorrente, e a Rússia, a maior ameaça de um Estado-nação. O presidente norte-americano Joe Biden diz que este século será definido por uma disputa existencial entre democracias e autocracias.

Na cúpula virtual do ano passado, o grupo criticou o que chamou de impacto negativo da “expansão unilateral e ilimitada de sistemas globais de defesa de mísseis por certos países ou grupos de países”, sem referir-se diretamente à expansão da Otan ou à assistência militar do Ocidente à Ucrânia.

Infomoney

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo