Economia

Imposto mínimo global sobre multinacionais entra em vigor e pode arrecadar até US$ 220 bilhões

Grandes empresas multinacionais estarão sujeitas a um imposto mínimo global pela primeira vez a partir desta segunda-feira (1°), à medida que reformas fiscais históricas entram em vigor, buscando arrecadar até US$ 220 bilhões em receitas adicionais anuais.

Quase três anos depois que 140 países chegaram a um acordo para fechar brechas flagrantes no sistema internacional, algumas das principais economias começarão a aplicar, a partir de janeiro, uma taxa efetiva de pelo menos 15% sobre os lucros corporativos.

De acordo com uma série de regras interligadas, se o lucro de uma multinacional for tributado abaixo dessa taxa em um país, outros poderão cobrar um imposto adicional. A OCDE, que conduziu as reformas, estima que isso aumentará a receita tributária anual em até 9%, ou US$ 220 bilhões em todo o mundo.

Jason Ward, analista principal do grupo de pressão Centre for International Corporate Tax Accountability and Research, elogiou o “projeto superinteligente” da reforma. “Isso reduzirá os incentivos das empresas para usar paraísos fiscais e os incentivos para os países serem paraísos fiscais”, disse ele, acrescentando que isso coloca “um freio sério no que era uma corrida para o fundo”.

A primeira onda de jurisdições que implementarão o imposto mínimo global a partir de janeiro inclui a União Europeia, Reino Unido, Noruega, Austrália, Coreia do Sul, Japão e Canadá. As regras se aplicarão a empresas multinacionais com faturamento anual superior a 750 milhões de euros.

Vários países há muito tempo vistos como paraísos fiscais por multinacionais promoverão a medida, incluindo Irlanda, Luxemburgo, Países Baixos, Suíça e Barbados, que anteriormente tinham uma alíquota de imposto corporativo de 5,5%.

Os Estados Unidos e a China ainda não introduziram legislação sobre o tema, apesar de apoiarem o acordo em 2021. Mas as reformas globais foram projetadas para ter um impacto significativo.

O acordo supervisionado pela OCDE em 2021 consiste em dois “pilares”. O primeiro visa fazer com que as empresas multinacionais paguem mais impostos onde fazem negócios, enquanto o segundo estabelece uma taxa mínima de imposto corporativo global.

As regras significam que, uma vez que algumas nações introduzam a taxa global, outros países têm incentivo para fazê-lo. Caso contrário, as nações participantes podem cobrar impostos às suas custas.

“O pilar dois só precisa de uma massa crítica de países para implementá-lo”, disse Pascal Saint-Amans, ex-chefe de impostos da OCDE. “Ninguém encontrou uma bala de prata onde você pode evitá-lo”.

Embora muito dependa da implementação e da resposta das empresas multinacionais, análises preliminares sugerem que os países participantes que abrigam lucros corporativos com baixa tributação serão os primeiros vencedores.

“As pessoas não estavam pensando em recompensar a Irlanda por ser um paraíso fiscal”, disse Ward. “Mas isso pode ser uma consequência não intencional.”

Manal Corwin, chefe de impostos da OCDE, disse ao Financial Times que rastrear onde a receita adicional acabou nas primeiras etapas representaria apenas uma “foto” das reformas.

“Isso mudará ao longo do tempo”, disse ela. “A pegada futura é o valor do que está sendo entregue”. Corwin disse que, por meio da eliminação de distorções no sistema, ela espera que mais impostos sejam pagos “onde as atividades econômicas ocorrem”.

A introdução das reformas também deve aumentar a competição tributária entre jurisdições por meio de créditos, subsídios ou incentivos.

A OCDE confirmou no ano passado que os cálculos do imposto mínimo global fornecerão tratamento mais favorável para determinados créditos fiscais, especialmente alguns créditos transferíveis contidos na Lei de Redução da Inflação dos EUA.

Will Morris, líder global de política tributária da PwC US, disse que os centros de investimento provavelmente arrecadariam receitas fiscais adicionais sob o novo regime e “devolveriam isso aos negócios” por meio de outro braço do governo.

“A competição tributária não morrerá, ela se deslocará para subsídios e créditos”, disse Morris.

Essa dinâmica levaria a uma menor quantidade de impostos arrecadados por muitos países do que a OCDE previu, segundo Morris, e ele alerta para o risco de as empresas serem culpabilizadas. “Haverá mais angústia por parte dos países porque as empresas estarão fazendo planejamento tributário novamente, e não porque as estimativas de receita estarão erradas”, disse ele.

Outras isenções foram incluídas durante as negociações do acordo, como uma exclusão de “substância”, para que as regras não desencorajem o investimento em ativos tangíveis, como fábricas e máquinas.

Essa exceção tem sido alvo de críticas, pois pode permitir que as empresas paguem impostos abaixo da taxa de 15% se tiverem atividade real suficiente em países com baixa tributação.

Valentin Bendlinger, um acadêmico especializado no imposto mínimo global, disse que, embora as regras complexas tornem seus efeitos de receita incertos, ele espera “um monstro de conformidade tanto para as administrações fiscais quanto para as multinacionais”.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo