Política

Indicação para STF não é de partido, afirma líder do PSB


Felipe Carreras. (Foto: Billy Boss/Câmara dos Deputados)

O líder do PSB na Câmara, Felipe Carreras, defendeu a manutenção de um nome do partido à frente do Ministério da Justiça. De acordo com ele, a indicação do atual chefe da pasta, Flávio Dino, para o Supremo Tribunal Federal (STF) “está totalmente fora de questões político-partidárias”.

“Temos um ministro do PSB que tem feito um trabalho reconhecido e que foi alçado a indicado para o Supremo, que é um cargo totalmente isento de questões político-partidárias. Então, se a pasta é atualmente um espaço do PSB, temos quadros do PSB colaborando, por que não colocar um nome do partido”, falou.

O PT, entretanto, pressiona para escolher o substituto e barrar a ascensão do atual secretário-executivo, Ricardo Capelli.

A indicação de Capelli, no entanto, tem perdido força. Mas os movimentos do PT preocupam os socialistas porque, a depender da escolha para o Ministério da Justiça, haverá mudanças subsequentes, tanto na própria secretaria-executiva, quanto em outras secretárias atualmente com nomes escolhidos pelo PSB.

Entre eles estão os ex-deputados federais Elias Vaz, secretário de Assuntos Legislativos, e Tadeu Alencar secretaria Nacional de Segurança Pública.

Matéria: O Antagonista

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo