Economia

M. Dias Branco reporta resultados fortes e acima das expectativas, mas ação tem dia volátil

A M.Dias Branco (MDIA3) registrou na última sexta-feira (23) um lucro líquido de R$ 341,9 milhões no quarto trimestre de 2023. O resultado é 22 vezes superior ao registrado no mesmo período do ano anterior.

O JPMorgan avalia que os números foram bons e superiores às expectativas, com um lucro antes de juros impostos, depreciação, amortização e depreciação (Ebitda) de R$ 442 milhões, um aumento de 265% em relação ao ano anterior, ficando 3% acima das projeções do JPMorgan e 4% acima do consenso. As margens também ficaram ligeiramente acima das expectativas, atingindo 16%, em comparação com os 4,4% do ano anterior, e mantiveram-se estáveis trimestre a trimestre, apesar da sazonalidade.

A ação chegou a subir cerca de 2% na sessão desta segunda-feira (26) pós-balanço, mas amenizou e subia 0,05%, a R$ 40,15, às 10h52 (horário de Brasília).

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Analistas do JPMorgan ainda destacaram que o volume de vendas foi robusto, alcançando 479,5 mil toneladas (um aumento de 9% em relação ao ano anterior), pois a empresa decidiu seguir o mercado com cortes de preços pontuais. “Eles também aumentaram o volume em novas marcas exclusivas para pagamento à vista, a fim de enfrentar um mercado promocional”, diz o relatório. “Como resultado, a participação de mercado se recuperou em 20-40 pontos base.”

O lucro líquido de R$ 342 milhões superou as projeções do JP Morgan em 28%, “devido a receitas financeiras melhores do que o esperado”, explicam analistas. A geração de fluxo de caixa melhorou (o FCF operacional chegou a R$584 milhões), levando a empresa a uma posição de caixa líquido de R$ 73 milhões.

O JPMorgan apontou, em relatório antes da abertura, que esperava uma reação positiva das ações aos resultados, com alguma melhoria marginal nas estimativas do consenso.

Continua depois da publicidade

Assim como o banco americano, o Itaú BBA considera os resultados como fortes e acima do esperado. Na visão do BBA, os resultados do 4T23 reforçaram o impulso construtivo da companhia no curto prazo à medida que recupera tanto a rentabilidade em termos absolutos quanto a participação de mercado sequencialmente.

Segundo relatório do BBA, a M. Dias parece estar a utilizar alavancas de preços para reconstruir o seu domínio de participação de mercado, enquanto os preços da indústria parecem ser racionais. “Os volumes estão crescendo à medida que os estoques no espaço de varejo estão se normalizando, o que no 4T23 compensou a fraqueza sazonal típica de um quarto trimestre.”

Olhando para o futuro, o Itaú BBA acredita a sólida posição do balanço da M. Dias Branco deverá abrir espaço para procurar oportunidades de fusões e aquisições.

Na mesma linha que os outros dois bancos, a XP disse que os resultados foram sólidos em todos os setores. O LPA (Lucro por Ação) ficou em R$ 1,06, 54% acima de suas projeções e 37% acima do Consenso Bloomberg, com resultados financeiros melhores do que o esperado, principalmente após a desalavancagem da companhia (caixa líquido em 2023), mas também devido a um benefício de R$ 31,7 milhões em juros sobre créditos fiscais (sem efeito caixa).

Com relação aos volumes fortes, a XP comenta que foram liderados “(i) pela estratégia de gestão de receita da companhia (preços 4,8% na base trimestral); (ii) melhores números operacionais; e (iii) a recuperação da demanda de varejo (estoques de varejo de volta aos níveis do 4T22)”. A instituição financeira ainda comenta que “se sustentado, o desempenho de volume é um importante risco de upside para 2024”. Em suma, os resultados do 4T23 devem trazer de volta o momentum das ações, na opinição da corretora.

Já a Genial destaca que a M. Dias Branco entregou um trimestre forte e em linha com suas expectativas, com destaque positivo para (i) a relevante expansão da margem Ebitda(+4,3 p.p. a/a), impulsionada pela melhora no mix de marcas e queda nos preços do trigo e do óleo de palma; (ii) a forte geração de caixa operacional, contribuindo para que a companhia encerrasse 2023 com geração de caixa operacional recorde, de R$ 2,1 bilhões; (iii) crescimento no volume de vendas; (iv) a queda sequencial na alavancagem, que encerrou o 4T23 em 0,1x Dívida Líquida/Ebitda, patamar bastante saudável de saúde financeira e (v) a companhia encerrando 2023 apresentando um crescimento relevante de receita de uma de suas principais marcas premium, a Piraquê, que atingiu faturamento de R$ 1,2 bilhão no ano (+17% na base anual).

Já do lado negativo, segundo a Genial, os principais destaques negativos foram o recuo no preço médio (-7,8% ano a ano), em virtude de uma queda sequencial nos preços de itens de menor valor agregado, como farinha de trio e margarinas e gorduras, os quais acompanharam a queda das commodities e uma recuperação sequencial de market share um pouco mais tímida do que esperado em biscoitos e massas.

A XP Investimentos reitera recomendação de compra com base no valuation atraente e no desempenho operacional/lucrativo encorajador. A Genial e o JPMorgan também mantiveram recomendação de compra e preço-alvo de, respectivamente R$ 50 e R$ 48. O Itaú BBA, por sua vez, mantém recomendação marketperform (equivalente à neutro) e preço-alvo de R$ 46.

Infomoney

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo