Saúde

Médico chinês opera, da Itália, paciente em Pequim com uso de robô e conexão 5G

Esta é a edição da newsletter China, terra do meio desta terça-feira (11). Quer recebê-la toda semana no seu email? Inscreva-se abaixo.

Um médico chinês realizou nesta semana uma cirurgia de próstata de maneira remota. O paciente estava em Pequim e o cirurgião Zhang Xu em uma sala especializada na cidade de Roma, na Itália. É a primeira vez no mundo que uma operação acontece com o paciente e o médico em continentes distintos.

O feito foi possível através de um console cirúrgico conectado a um conjunto de braços robóticos turbinados com 5G e internet por fibra óptica. O procedimento utilizou telas que exibiam imagens em tempo real do paciente, permitindo ao médico detectar movimentos e controlar o robô.

Ele conseguiu assim remover um tecido tumoroso do paciente e todo o procedimento foi transmitido ao vivo durante uma conferência médica em Roma que discutia os avanços da telemedicina aliada à robótica e à inteligência artificial.

De acordo com a rede estatal CCTV, o procedimento funcionou graças à ostensiva cobertura da rede 5G no país, o que fez cair a latência (o atraso entre comando e resposta) dos braços robóticos para 135 milissegundos, bem abaixo dos 200 milissegundos recomendados para telecirurgia.

O paciente passa bem e segue se recuperando. O cirurgião agora quer trabalhar em aplicações militares para a tecnologia, o que permitiria instalar equipamentos cirúrgicos remotos para equipes chinesas.

Por que importa: embora telecirurgias não sejam grande novidade, a distância geográfica entre médico e paciente neste caso impressionaram os profissionais que assistiram à operação durante a conferência. Em larga escala, esta tecnologia pode revolucionar a medicina atual, expandindo cuidados médicos para regiões de difícil acesso no mundo. Um dos primeiros países a implantar tecnologia 5G, a China tem liderado pesquisas na área e deve começar a lucrar em breve com patentes para aplicações médicas.


pare para ver

“Um paciente recebendo tratamento manipulativo para uma dor no ombro”, aquarela produzida por Zhou Pei Chun em 1890. Conhecido por produzir aquarelas em massa, o artista se tornou um prolífico documentarista do cotidiano chinês nos séculos XIX e XX. Mas informações sobre ele aqui (em inglês).


o que também importa

★ O Ministério de Minas da República Centro-Africana suspendeu as operações de uma mineradora chinesa acusada de cooperar com milícias armadas no país. Segundo a denúncia, a Daqing SARL teria trabalhado com milícias para auxiliar em “inteligência, exploração ilegal e contratação ilegal de estrangeiros para trabalhar em mineração”. A empresa opera em uma área marcada pelas disputas entre Forças Armadas centro-africanas e a Coalizão de Patriotas pela Mudança e está sendo acusada de sonegar impostos e negligenciar o envio de relatórios acerca das suas atividades. A Daqing é um dos maiores players nas áreas de mineração de ouro e diamantes.

★ Oficiais holandeses acusaram militares chineses de performar manobras “potencialmente inseguras” contra uma fragata do país. Segundo o Ministério da Defesa da Holanda, a fragata HNLMS Tromp fazia patrulhamentos rotineiros no mar do Sul da China em apoio às sanções da ONU contra a Coreia do Norte quando seu helicóptero foi abordado por dois caças e um helicóptero chinês. A pasta disse que o encontro aconteceu em águas internacionais. Pequim não respondeu às acusações.

★ Vinte e dois chineses e um camaronês foram condenados à prisão na Zâmbia, acusados de coordenar uma quadrilha de crimes cibernéticos. As investigações mostraram que os criminosos aplicavam golpes em países como Singapura, Peru e Emirados Árabes. Acusada de dar apoio às operações, a empresa chinesa Golden Top Support Services também teria armazenado armas contrabandeadas e mais de 13 mil chips de celular, além de equipamentos para mascarar a localização física dos golpistas. As penas variam entre 7 e 11 anos de prisão, além de multas que chegaram até os US$3 mil (R$16 mil).


fique de olho

O Ministério do Comércio da Turquia anunciou que vai impor uma tarifa de importação de 40% aos veículos vindos da China.

  • O imposto mínimo será de pelo menos US$7 mil (cerca de R$ 37 mil) por veículo e deve começar a valer a partir do dia 07 de julho;

  • O objetivo é “aumentar e proteger a participação da produção automobilística nacional”, segundo o decreto presidencial assinado por Recep Tayyip Erdoğan.

Não é a primeira vez que os turcos adotam medidas protecionistas contra carros chineses. Istambul tinha imposto tarifas sobre veículos elétricos em 2023, além de ter dificultado as regras para manutenção destes produtos.

Além de blindar os competidores domésticos, as tarifas pretendiam atenuar o déficit comercial com a China, que no ano passado foi de US$45 bilhões (cerca de R$241 bilhões).

Por que importa: a decisão turca está em linha com movimentos observados em vários outros países. Temendo os efeitos das importações para fabricantes domésticos, os Estados Unidos também anunciaram em maio tarifas a carros elétricos chineses que chegam a até 100% do valor. A Comissão Europeia deve anunciar na próxima semana se vai impor tarifas provisórias adicionais.

para ir a fundo

A rede Observa China abriu vagas para especialista residente e fotógrafo documental. Interessados podem ler mais sobre o processo seletivo aqui. (gratuito, em português)


Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo