Política

Michelle fala de injustiças contra Bolsonaro e chora em discurso na Paulista

A ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro (PL) abriu o ato deste domingo (25) em defesa de seu marido, o ex-presidente Jair Bolsonaro, com uma oração coletiva. Ela chorou no início de sua fala e disse que não tinha como controlar a emoção.

Michelle falou em sofrimento dos aliados de Bolsonaro e chamou a todos de “povo de bem”. Disse ainda que o Brasil tem sido mal administrado, em um recado para a gestão do presidente Lula (PT), e que sua fé tem sido renovada diante do que chama de “injustiças” contra o seu marido.

“Não tem sido fácil, mas estamos de pé (…) Eu vivo um dia de cada vez.”

A primeira-dama afirmou que o mal tomou o espaço e pediu aos seguidores para não desistirem do país. “Eu sei que nosso Deus do alto céus irá nos conceder o socorro”, disse, afirmando que há um assassinato de reputação diário. “Aprouve o senhor a nos colocar a frente da nação. Aprouve Deus nos colocar a frente da Presidência da República”, afirmou.

Michelle pediu para que Deus salvasse a nação. “Nos abençoamos, nos abençoamos Israel”, disse Michelle, ao fim da oração.

O choro de Michelle ocorre no momento em que Bolsonaro é alvo de uma investigação da Policia Federal sobre uma trama golpista organizada em 2022 para impedir a posse do presidente Lula (PT).

O ato deste domingo tem como objetivo demonstrar força política de Bolsonaro e pressionar o STF (Supremo Tribunal Federal), que tem autorizado prisões e buscas em torno da investigação de uma trama golpista.

Durante o ato bolsonarista, as bandeiras de Israel foram onipresentes. Item obrigatório entre os camelôs, a bandeira do país foi escolhida pelo ex-presidente no primeiro aceno ao público em cima do trio elétrico.

Bolsonaro convocou a manifestação, organizada pelo pastor Silas Malafaia, com o alegado objetivo de se defender das acusações imputadas contra ele e defender o Estado Democrático de Direito.

Presidente do PL Mulher, Michelle é considerada um importante ativo no partido e tem se engajado na filiação de outras mulheres à legenda. Seu nome é considerado para uma candidatura ao Senado e chegou a ser aventado até para a Presidência —possibilidade que desagrada Bolsonaro.

Também foi mencionada uma possível candidatura de Michelle para o Senado pelo Paraná, caso a Justiça Eleitoral determine a cassação do mandato do senador Sergio Moro (União Brasil).

Ao longo da campanha de 2022, a presença da ex-primeira-dama foi explorada pela campanha de Bolsonaro, com o intuito de suavizar a imagem do ex-presidente e diminuir sua rejeição entre as mulheres —uma de suas principais fraquezas.

Desde a deflagração da operação da PF que atingiu o marido, Michelle se manifestou algumas vezes nas redes sociais para defendê-lo. Ela disse que o ato deste domingo seria pacífico, em defesa da democracia e da liberdade.

A operação também levou Michelle a cancelar uma viagem que faria para palestrar em igrejas nos Estados Unidos, ao lado da senadora Damares Alves (Republicanos).

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo