Saúde

Ministério da Saúde enviará 105 mil imunizantes extras ao RS

O Ministério da Saúde anunciou que enviará, até esta segunda-feira (13), mais 105 mil doses emergenciais de vacinas, além das 926 mil que já estavam previstas na rotina de entrega ao Rio Grande do Sul. O estado sofre com enchentes que já afetaram mais de 2 milhões de pessoas nos últimos dias.

A ideia, de acordo com o diretor do PNI (Programa Nacional de Imunizações), Eder Gatti, é repor os estoques perdidos com as enchentes, não só de vacinas, mas também da rede de frio para seu armazenamento.

“Nesta semana, estamos enviando por via terrestre mais 200 caixas térmicas de alta qualidade, além de 4.800 bobinas de resfriamento”, disse Gatti.

No último dia 5 de maio, a pasta enviou 200 mil doses das vacinas contra tétano, difteria, hepatites A e B, coqueluche, meningite, rotavírus, sarampo, caxumba, rubéola, raiva e picadas de animais. Segundo a pasta, não há registro de desabastecimento de nenhuma vacina no estado.

No sábado (11), o ministério flexibilizou ainda a retirada de medicamentos pelo programa Farmácia Popular no Rio Grande do Sul.

Não é necessário apresentar dos documentos oficiais com foto, CPF e receita ou prescrição médica para acessar medicamentos para tratamento de asma, hipertensão e diabetes.

Para os medicamentos mais caros de doenças raras, de baixa prevalência ou de uso crônico prolongado, será possível manter tratamentos por seis meses sem que seja necessário renovar as receitas, contanto que a dose e o tipo do medicamento permaneçam os mesmos.

Aqueles que perderam medicamentos no intervalo de até dois meses antes do reconhecimento oficial da calamidade podem solicitar uma nova retirada.

As fortes chuvas do Rio Grande do Sul já deixaram 143 mortos, conforme boletim divulgado às 9h deste domingo. Foram confirmadas sete novas mortes desde sábado (11), e o número pode crescer nos próximos dias, uma vez que há 125 desaparecidos, segundo a Defesa Civil gaúcha.

As mortes ocorrem em 44 cidades, conforme a Defesa Civil, e há 756 feridos.

Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo