Saúde

O brasileiro de 8 anos que dá palestras em Londres sobre autismo e TDAH

A uma plateia com 300 crianças de cinco a 11 anos em uma escola em Londres, um garoto conta como é ter o que ele chama de fizzy brain —uma mente “borbulhante” ou “acelerada”.

Quem fala a outras crianças é Noah Faria, de 8 anos, que escreveu um livro infantil sobre como é viver com autismo e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH).

A ideia, disse Noah à BBC News Brasil, é “falar para outras pessoas que têm autismo e TDAH que você não é estranho, você é uma das milhões de pessoas normais, mesmo tendo TDAH e autismo”.

A escritora brasileira Renata Formoso, mãe de Noah, diz que, inicialmente, se preocupava com a exposição do tema pelo filho, mas que hoje entende “quão importante foi isso”.

“Hoje ele fala com orgulho de conseguir fazer tudo que consegue mesmo sendo autista e TDAH. Ele entende que há diferenças e quanto é OK e importante todo mundo ser diferente. Percebo que ele falar sobre isso abertamente normaliza para outras crianças.”

Rimas após diagnóstico

“The Fizzy Brain” é o título do livro escrito por Noah aos 7 anos, com ajuda da mãe e com ilustrações da britânica Emi Webber, diagnosticada com TDAH e autismo só na vida adulta.

O termo fizzy brain foi usado por Noah —de nacionalidade britânica e brasileira—, segundo Formoso, em consultas com médicos do sistema público de saúde britânico (NHS) durante o processo de diagnóstico de TDAH—que ele recebeu aos 7 anos, cerca de um ano e meio após o diagnóstico de autismo.

“Na carta do diagnóstico, veio escrito que ele, falando para o médico, explicou que tinha um fizzy brain —que era como se o cérebro dele falasse com ele tão rápido que às vezes ele não conseguia entender”, lembra Formoso.

Perguntado pela reportagem sobre qual seria a melhor tradução para o português, Noah —que tem o inglês como primeira língua e é fluente em português— responde que se trata de “uma mente acelerada”. “Mas minha mãe prefere ‘uma mente borbulhante'”, acrescenta.

A ideia de colocar no papel a própria experiência —o que viraria base para as palestras infantis— surgiu em uma caminhada no parque, logo após o diagnóstico de TDAH.

“Eu e minha mãe estávamos andando para a casa da minha amiga e começamos a fazer rimas. E aí minha mãe teve a perfeita ideia de fazer todas essas rimas em um livro —e agora está real”, diz Noah.

O livro —disponível em inglês, mas com edição em português prevista para 2024— é fruto de uma campanha de financiamento coletivo na internet feita por Formoso, autora de obras (“Eu também falo Português” e “Nina Vai ao Brasil”) para crianças filhas de pais/mães brasileiros e que nasceram ou vivem no exterior.

E como Noah diz que se sente ao ver suas rimas no papel? “Eu me sinto feliz. Eu nem acredito!”

‘Abraçar semelhanças e diferenças’

Helen Jary, vice-diretora da Dulwich Wood Primary School, uma escola no sul de Londres onde Noah deu uma de suas palestras, disse que a forma como o garoto se colocou foi “com muito orgulho”.

“Não como se tivesse algo errado com ele —ele não tem um impedimento. Na verdade, ele tem uma superforça: ‘Olhe para mim, sou neurodivergente, fui diagnosticado com TDAH e veja como isso me torna poderoso e como sou uma ótima criança’ —e isso é verdade”, afirmou à BBC News Brasil.

Jary diz que falar na frente de centenas de crianças, muitas mais velhas que o próprio Noah, é uma “conquista enorme” —e acrescenta que ele foi “muito profissional” e não precisou de muita ajuda da mãe, que o acompanhou no palco. O PowerPoint com as ilustrações também ajudou a prender a atenção das crianças, disse.

“Acreditamos que, como escola, é muito importante falar sobre isso, abraçar as semelhanças e diferenças, para que as crianças não se sintam de forma alguma marginalizadas, excluídas ou diferentes”, diz Jary.

A vice-diretora aponta que a escola promove palestras sobre nerodiversidade “para que as crianças saibam que se tiverem um diagnóstico de dislexia, TDAH, autismo ou qualquer outra neurodiversidade, está tudo bem – e daremos estratégias para superar quaisquer dificuldades”.

Além disso, ela acrescenta que as crianças neurotípicas também precisam entender que outros colegas podem ter necessidades diferentes.

“Como uma escola inclusiva, temos que atender às necessidades de crianças de diferentes estilos de aprendizagem. Não há ‘tamanho único’ na aprendizagem. Sabemos que algumas crianças aprendem melhor fazendo, outras precisam de muita repetição. Algumas crianças precisam de apoio visual…”

Diagnóstico de autismo e TDAH

A BBC News Brasil também ouviu o psiquiatra da infância e adolescência Guilherme Polanczyk, professor da Universidade de São Paulo (USP) —que não tem relação com o caso de Noah— sobre o impacto nas famílias e nas crianças de diagnósticos como o de autismo.

Ele diz que o diagnóstico de autismo é “uma situação que gera muitas reações frequentemente fortes nas famílias”.

Enquanto há “famílias que vivem com dificuldades com as crianças e que não entendem bem as dificuldades e buscam muito um diagnóstico”, há também “famílias que fogem completamente do diagnóstico”.

Polanczyk diz que, embora tradicionalmente o diagnóstico mais precoce “muitas vezes é de um transtorno mais grave”, a medicina tem conseguido, cada vez mais, identificar mais cedo transtornos leves. “Isso realmente é algo recente, dos últimos 10, 15 anos.”

Ele aponta que as crianças pequenas “vivenciam muito o que é o autismo, o que é o déficit de atenção através da forma como os pais, a família e a escola vivenciam”.

“Se tratam de uma forma menos pesada, em famílias que aceitam as dificuldades, com narcisismo um pouco menor, com senso de comunidade, isso transmite para as crianças uma ideia de que são dificuldades, mas tá tudo bem, é possível viver, ser feliz, ter sucesso, mesmo tendo dificuldades”, diz.

“E se as crianças vivenciam isso e conseguem transmitir isso para outras, sem dúvida, isso é muito mais poderoso, mais potente, para que outras crianças que estão recebendo o diagnóstico possam olhar para as dificuldades de uma forma menos pesada e que não tire o valor da pessoa. Muitas vezes o diagnóstico vem como se fosse uma condenação de que não vai ter sucesso, não vai ser feliz ou ser independente e autônomo —e não é isso.”

Polanczyk diz que o diagnóstico “sempre vem com estigma” e que, por isso mesmo, é importante falar sobre o assunto.

“A gente não pode pensar que não existe estigma. Então as famílias têm muito receio disso, do quanto isso vai ficar marcado na ficha da criança na escola ou socialmente. Mas, ao mesmo tempo, se as famílias não falam sobre isso e não discutem o diagnóstico, elas estão perpetuando um estigma muito maior, estão impedindo que outras pessoas possam ser solidárias e que essa situação de estigma e de vergonha e de silêncio seja vencida”.

Os números de diagnóstico de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA) estão aumentando nos últimos anos, como mostra esta reportagem da BBC News Brasil. Embora não exista uma só causa, especialistas suspeitam que a maior conscientização sobre o tema seja a principal explicação para o crescimento.

No Brasil, há cerca de 2 milhões de pessoas com autismo, segundo o governo federal.

Em um momento em que se fala mais sobre o tema, o psiquiatra também destaca a importância do acesso a um diagnóstico adequado, visto que “um diagnóstico equivocado sempre tem consequências negativas”.

Polanczyk também lembra que, no Brasil, hoje “teoricamente todas as escolas devem aceitar as crianças com autismo e com outras dificuldades e promover um ambiente de inclusão”.

“A gente sabe que algumas escolas de fato fazem isso, e outras não”, disse. “Geralmente, nessa idade (por volta dos 6 anos), as escolas têm uma preocupação em desenvolver aspectos mais humanísticos das crianças, mas ao longo do tempo – e pelo menos aqui no Brasil, cada vez mais – a gente vê escolas só preocupadas com o desempenho acadêmico a detrimento da forma como elas se relacionam umas com as outras.”

O psiquiatra diz que a importância de trabalhar o tema está em criar uma cultura de inclusão que vá além da escola.

“Ela não se faz apenas por práticas da escola, se faz pela forma como as famílias e as crianças se relacionam entre elas. Então passa pelas famílias convidarem o coleguinha para as festas, passa pelas crianças aceitarem que o coleguinha eventualmente grita de vez em quando no meio da aula ou toca de uma forma mais intrusiva, e tá tudo bem. E aí incluir nas brincadeiras e nas situações mais diversas essa criança que não vai desempenhar eventualmente como eles em determinado momento, mas que eventualmente em outra aula vai desempenhar de uma forma superior.”

Autismo em crianças: quais são os sinais?

Os sinais de autismo em crianças pequenas incluem, segundo o sistema público de saúde britânico, o NHS:

  • Não responder ao nome delas
  • Evitar contato visual
  • Não sorrir quando você sorri para elas
  • Ficar muito incomodada se não gostar de determinado sabor, cheiro ou som
  • Movimentos repetitivos, como bater as mãos, sacudir os dedos ou balançar o corpo
  • Não falar tanto quanto as outras crianças
  • Não fazer tantas brincadeiras de ‘faz de conta’
  • Repetir as mesmas frases

Em crianças mais velhas, os sinais incluem:

  • Não entender o que os outros estão pensando ou sentindo
  • Ter um discurso incomum, como repetir frases e falar com outras pessoas sem escutá-las de volta
  • Gostar de uma rotina diária rígida e ficar muito incomodada se ela mudar
  • Ter um grande interesse em certos assuntos ou atividades
  • Ficar muito chateada se você pedir que façam algo
  • Dificuldade de fazer amigos ou preferindo ficar sozinha
  • Entender as coisas muito literalmente
  • Dificuldade para dizer como se sente

O autismo pode ser diferente em meninas e meninos e, como aponta o NHS, pode ser mais difícil de detectar em meninas.

É possível que meninas com autismo, por exemplo, escondam alguns sinais de autismo copiando como outras crianças se comportam e brincam. Também podem mostrar menos sinais de comportamentos repetitivos, além de retirar-se em situações que consideram difíceis.

TDAH em crianças: quais são os sinais?

O transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) envolve desatenção (dificuldade de concentração e foco) e/ou hiperatividade e impulsividade. Cerca de 2 a 3 em cada 10 pessoas com TDAH, segundo o NHS, têm problemas de concentração e concentração, mas não apresentam hiperatividade ou impulsividade.

O TDAH é diagnosticado com mais frequência em meninos do que em meninas. Elas são mais propensas a apresentar sintomas apenas de desatenção e são menos propensas a apresentar comportamento perturbador que torne os sintomas de TDAH mais óbvios, de acordo com o NHS.

Enquanto os sintomas do TDAH nos adultos são mais difíceis de definir, os sinais do transtorno em crianças e adolescentes são bem definidos e geralmente são perceptíveis antes dos 6 anos, de acordo com especialistas.

As crianças podem apresentar sintomas de desatenção, hiperatividade e impulsividade, ou podem apresentar sintomas de apenas um destes tipos de comportamento, segundo o NHS.

Os principais sinais da dificuldade de concentração e foco são:

  • Ter um curto período de atenção e ser facilmente distraído
  • Cometer erros por descuido —por exemplo, nos trabalhos escolares
  • Parecer esquecido ou perder muito as coisas
  • Ser incapaz de realizar tarefas tediosas ou demoradas
  • Parecer incapaz de ouvir ou seguir instruções
  • Mudar constantemente de atividade ou tarefa
  • Ter dificuldade em organizar tarefas

Os principais sinais de hiperatividade e impulsividade são:

  • Ser incapaz de ficar parado, especialmente em ambientes calmos ou tranquilos
  • Ficar constantemente inquieto
  • Ser incapaz de se concentrar nas tarefas
  • Fazer movimento físico excessivo
  • Conversar excessivamente
  • Ser incapaz de esperar sua vez
  • Agir sem pensar
  • Interromper conversas
  • Pouca ou nenhuma sensação de perigo

Se os cuidadores acreditarem que uma criança apresenta sinais de autismo ou TDAH, devem procurar um profissional de saúde especializado.

Este texto foi publicado originalmente aqui.


Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo