Política

Ódio aos judeus e ódio às mulheres: a bestialidade do Hamas

Já tratamos aqui, em O Antagonista, dos terríveis crimes sexuais cometidos pelo Hamas em 7 de outubro, mas uma nova reportagem do The New York Times, publicada em 28 de dezembro, após uma investigação de dois meses realizada pelo jornal, revelou novos detalhes dolorosos e chocantes.

Baseando-se em imagens de vídeo, fotografias, dados de GPS e entrevistas com mais de 150 pessoas, incluindo testemunhas, médicos, soldados etc. The Times estabeleceu definitivamente que “os ataques contra as mulheres no dia 7 de Outubro não foram acontecimentos isolados, mas parte de um padrão mais amplo de violência baseada no gênero”.

Os israelenses, com razão, ficaram indignados com o fato de o Secretário-Geral das Nações Unidas, António Guterres, e a agência ONU Mulheres só terem reconhecido as muitas acusações de violência sexual semanas após os ataques. O Antagonista também denunciou a condenável omissão dessas e de outras organizações.

É fato incontestável que o Hamas usou a violência sexual em 7 de outubro com um padrão de violação, mutilação e extrema brutalidade. Em todos os lugares onde os terroristas do Hamas atacaram – nas raves, nas bases militares ao longo da fronteira de Gaza e nos kibutzim – eles estupraram e mutilaram mulheres.

Mirit Ben Mayor, superintendente-chefe da polícia, disse acreditar que a brutalidade contra as mulheres deve-se a uma combinação de duas forças ferozes, “o ódio aos judeus e o ódio às mulheres”.

Eis aqui algumas das barbaridades perpetradas pelo Hamas em 7 de outubro e descritas na referida reportagem:

Os homens se reuniram ao longo da estrada e passaram entre eles rifles de assalto, granadas, pequenos mísseis – e mulheres gravemente feridas. Era como um ponto de encontro.
A primeira vítima foi uma jovem com cabelos cor de cobre, sangue escorrendo pelas costas e calças abaixadas até os joelhos. Um homem puxou-a pelos cabelos e fez com que ela se curvasse. Outro a penetrou, e cada vez que ela se encolheu, ele enfiou uma faca em suas costas.

[…] Enquanto um terrorista a violava, disse ela, outro puxou um estilete e cortou-lhe o peito. Um continua a estuprá-la e o outro joga o seio para outra pessoa, e eles brincam com ele, jogam e ele cai na estrada”, disse Sapir.

Ela disse que os homens cortaram seu rosto e então a mulher desapareceu de vista. Mais ou menos na mesma altura, disse ela, viu três outras mulheres violadas e terroristas carregando as cabeças decepadas de mais três mulheres.

[…]

Talvez 40 metros à sua frente, lembrou ele, uma van branca parou e suas portas se abriram.
Ele disse ter visto então
cinco homens, vestindo roupas civis, todos portando facas e um carregando um martelo, arrastando uma mulher pelo chão. Ela era jovem, nua e estava gritando.

“Todos eles se reúnem em torno dela”, disse Cohen. “Ela está de pé. Eles começam a estuprá-la. Eu vi
os homens formando um semicírculo ao redor dela. Um a penetra. Ela grita. Ainda me lembro da voz dela, gritos sem palavras.”

“Então um deles levantou uma faca”, disse ele, “e eles simplesmente a massacraram”.

[…]

Horas depois, a primeira leva de técnicos médicos de emergência voluntários chegou ao local da rave. Em entrevistas, eles disseram ter descoberto corpos de mulheres mortas com as pernas abertas e sem roupa íntima – algumas com as mãos amarradas com corda e zíperes – na área de festas, ao longo da estrada, no estacionamento e em campos abertos ao redor do local da rave.

Jamal Waraki, um médico voluntário da equipe de resposta a emergências sem fins lucrativos ZAKA, disse que não conseguia tirar da cabeça uma jovem com um colete de couro cru encontrada entre o palco principal e o bar: “Suas mãos estavam amarradas nas costas”, disse ele. “Ela estava curvada, seminua, com a calcinha enrolada abaixo dos joelhos.”


[…]


Perto da rodovia, disse ele, encontrou o corpo de uma jovem, de bruços, sem calças ou calcinha, com as pernas abertas. Ele disse que
a área da vagina dela parecia ter sido aberta, “como se alguém a tivesse rasgado”.

Descobertas semelhantes foram feitas em dois kibutzim, Be’eri e Kfar Aza. Oito médicos voluntários e dois soldados israelenses disseram ao The Times que, em pelo menos seis casas diferentes, encontraram um total de pelo menos 24 corpos de mulheres e meninas nuas ou seminuas, algumas mutiladas, outras amarradas.

Um paramédico de uma unidade de comando israelense disse ter encontrado os corpos de duas adolescentes em um quarto em Be’eri.

Uma delas estava deitada de lado, disse ele, com a calcinha rasgada e hematomas na virilha. A outra estava esparramada no chão, disse ele, com a calça do pijama puxada até os joelhos, a bunda exposta e o sêmen espalhado nas costas.[…]

O Times entrevistou vários soldados e médicos voluntários que, juntos, descreveram a descoberta de mais de 30 corpos de mulheres e meninas dentro e ao redor do local da rave e em dois kibutzim em estado semelhante: pernas abertas, roupas rasgadas, sinais de abuso nas áreas genitais.

O Times viu fotografias do cadáver de uma mulher que os serviços de emergência descobriram nos escombros de um kibutz sitiado com dezenas de pregos cravados nas coxas e na virilha.

O Times também viu um vídeo, fornecido pelos militares israelitas, que mostrava duas soldadas israelenses mortas numa base perto de Gaza, que pareciam ter sido baleadas diretamente nas vaginas.

Em um vídeo você pode vê-la deitada de costas, vestido rasgado, pernas abertas, vagina exposta. Seu rosto está queimado e irreconhecível e sua mão direita cobre os olhos. […]

A capitã Maayan disse ter visto vários corpos com cortes nas vaginas e roupas íntimas encharcadas de sangue e um deles cujas unhas foram arrancadas.

A Investigação

Segundo a reportagem, a polícia israelense reconheceu que, no trágico 7 de outubro, não se concentrou em recolher amostras de sêmen dos corpos das mulheres, em solicitar autópsias ou em exame minucioso dos locais dos crimes. Naquele momento, disseram as autoridades, a intenção era repelir o Hamas e identificar os mortos.

O esforço concentrou-se em dar às famílias agonizantes dos desaparecidos uma sensação de encerramento e determinar, através de um processo de eliminação, quem estava morto e quem estava sendo mantido como refém em Gaza.

Alguns profissionais de emergência médica disseram que moveram corpos e limparam cenas de carnificina. Ou seja, tentando ser respeitosos com os mortos, eles inadvertidamente destruíram as evidências.

Muitos voluntários que trabalham para a ZAKA, a equipe de resposta a emergências, são judeus religiosos e operam sob regras estritas que impõem profundo respeito pelos mortos. De acordo com a tradição judaica, os funerais são realizados prontamente. O resultado foi que muitos corpos com sinais de abuso sexual foram enterrados sem exames médicos. A maioria nunca foi examinada.

Apesar disso, as autoridades israelenses não têm escassez de provas. Eles reuniram horas de imagens de câmeras corporais do Hamas, câmeras de segurança e telefones celulares e muitas imagens de corpos mutilados.

A ideologia e o mal

O que faz com que monstros que cravam pregos em coxas e virilhas, cortam seios com estilete, queimam rostos, arrancam unhas e esfaqueiam mulheres pelas costas enquanto as sodomizam sejam considerados um grupo de resistência contra qualquer tipo de opressão?

De que forma a brutalidade bestial e perversa do Hamas pode contribuir para qualquer coisa em favor da causa palestina?

Quando a humanidade se tornou tão estúpida e perversa a ponto de fazer passeatas contra o país cujas mulheres foram vitimadas por essa turba de bestas ferozes em vez de condenar em uníssono os fanáticos que as violentaram?

 

Matéria: O Antagonista

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo