Economia

PIB de 2023 teve discrepância entre oferta e demanda; economistas esperam mais equilíbrio

A divulgação nesta sexta-feira (1) pelo IBGE dos dados do PIB brasileiro no 4º  trimestre e no ano fechado de 2023 deve trazer poucas surpresas, segundo os economistas, dado que o ano passado teve duas fases bem distintas. Foi um ano com o primeiro semestre forte, com impacto marcante da supersafra de grãos nos números da agropecuária, e um período de desaceleração, com a resiliência do consumo das famílias segurando a atividade.

A projeções são de que a atividade econômica ficou perto da estabilidade nos últimos três meses do ano passado, com estimativas entre uma queda de -0,1% e uma alta de 0,2% ante o trimestre anterior. Com isso, o PIB terá fechado o ano com expansão próxima de 3%, praticamente no mesmo nível do ano anterior.

Mais que os dados de 2023, os economistas devem se debruçar sobre os sinais e tendências que possam indicar para onde a economia vai em 2024. Hoje, as projeções são de um crescimento menor, entre 1,5% e 2,0%. Porém, mesmo as casas mais pessimistas já colocam um viés de alta para essas estimativas.

Masterclass

As Ações mais Promissoras da Bolsa

Baixe uma lista de 10 ações de Small Caps que, na opinião dos especialistas, possuem potencial de valorização para os próximos meses e anos, e assista a uma aula gratuita

Numa coisa, todos concordam: ao contrário de 2023, o PIB de 2024 terá um desempenho mais equilibrado de dados na ótica de oferta e demanda.  

Para Alex Agostini, economista chefe da Austin Rating, esse equilíbrio se dará pela esperada perda de força da agropecuária. “Refletindo os efeitos do fenômeno El Niño, que derrubou a produtividade dos grãos e o preço dessas commodities. Mas o custo de produção se manteve alto”, comenta.

Ele vê também um setor industrial com desempenho muito parecido com o de 2022 (1,6%) e o provável de 2023 (1,3%), mesmo com a nova política industrial. “Dificilmente o setor terá maior tração para alavancar expansão”, estima. Por fim, o setor de serviços, passados os fortes períodos de alta entre 2021 e 2023,  deverá voltar a apresentar crescimento modesto. “Estimamos 1,7%”.

Continua depois da publicidade

A avaliação de João Savignon, chefe de pesquisa macroeconômica da Kínitro Capital, vai na mesma linha. A projeção dele para o PIB de 2024, de expansão de 2,0%, reflete uma desaceleração gradual da economia, que seguirá com demanda doméstica resiliente e contas externas sólidas.

“As principais contribuições continuarão vindo dos Serviços, na ótica da oferta, e do Consumo das famílias (na ótica da demanda), ambas atividades beneficiadas pela manutenção do mercado de trabalho apertado, pelas transferências de renda à população, pela valorização do salário-mínimo e pela ampliação do crédito”, afirma.

Por outro lado, o PIB da agropecuária deve ter uma queda de 2,1%, como consequência das condições climáticas mais adversas e da elevada base de comparação do ano passado.

Mercado de trabalho

Claudia Moreno, economista do C6 Bank, concorda prevê que o país deve ter fechado o ano com um bom crescimento, em torno de 3%, puxado pelo resultado maior no primeiro semestre, boa parte relacionado à agropecuária,  mas que teve uma contribuição do consumo das famílias e dos serviços, que ficou forte.

“A agente entende  que isso está relacionado tanto a um mercado de trabalho aquecido, que aumenta a massa salarial e acaba dando mais estímulo para o consumo. E também pelo fiscal. O aumento de transferência de renda em 2023 também deve ter ajudado a impulsionar a atividade”, explica.

Ela também prevê que, após freada brusca da atividade no 2º semestre do ano passado, em 2024 as próximas divulgações deve mostrar a volta de algum crescimento. “Projetamos hoje um PIB de 1,5%, com viés de alta”, diz. Entre os motivos para o otimismo, está o alívio com a queda da Selic, que começou em agosto do ano passado.

Temperatura adequada

Marcela Rocha, economista chefe da Principal Claritas, é outra especialistas que coloca o maior equilíbrio como a principal diferença entre o PIB que será anunciado nesta sexta-feira e o esperado para 2024.

“Esperamos que, após crescer 3% no ano passado, a economia brasileira cresça 1,6% este ano, mostrando uma desaceleração. Na nossa avaliação é totalmente explicada pelo setor agropecuário. Depois de um crescimento robusto de 16% no ano passado, deve ter uma leve queda de 0,5%, muito em linha com as projeções do IBGE e da Conab estão apontando em relação à safra deste ano”, afirma.

Ela também diz esperar que a indústria, depois de crescer 1,5% no ano passado, deva se expandir 1,8% em 2024, enquanto os serviços, depois de crescer forte (2,3%), ainda vão subir cerca de 1,8%. “Ou seja, quando olhamos o PIB ex-agro, está rodando com uma temperatura robusta, de cerca de 1,6% ou 1,7%”, compara

Sobre o 4º tri do ano passado, ela disse esperar uma leve contração, com resultado de -0,1%. “A gente avalia que essa leve contração é explicada pela agropecuária. Se olhar indústria e serviços pelo lado da oferta, ainda esperamos crescimento”, diz Marcela.

Luis Otávio Leal, da G5 Partners, é outro economista que diz esperar mais equilíbrio. Porém, ele acredita que isso se dará menos pelo fato o PIB agrícola ser negativo em 2024 e mais porque o ano terá a volta do crescimento dos investimentos.

“Em 2023, ao mesmo tempo em que tínhamos o Consumo das famílias crescendo mais de 2,0%, tínhamos a FBCF (investimento) caindo mais de 2,0%, um crescimento desequilibrado, onde a demanda cresce e a oferta se contrai. O próprio BC, na ata da reunião de dezembro, chamou a atenção para o perigo desse tipo de crescimento”, comenta.

“Então, sim, achamos que o crescimento em 2024 vai ser mais equilibrado, mas porque vamos ter tanto o Consumo das famílias, quanto a FBCF crescendo mais de 2,0%.”

Infomoney

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo