Saúde

Por que tiktoker brasileiro decidiu sumir das redes no auge da fama

Ramon Vitor estava em sua casa, em Ilhéus, no sul da Bahia, no ano passado, quando percebeu que estava sendo filmado por um desconhecido. A situação o deixou preocupado.

Episódios assim se tornaram comuns em sua vida graças à fama meteórica que conquistou com vídeos que compartilhava na internet.

Os clipes em que falava de seu cotidiano tinham milhões de visualizações. Ele virou rapidamente um dos principais criadores de conteúdos brasileiros no TikTok e até foi premiado pela rede social.

O sucesso era um sonho de infância, mas virou um problema sério para o influenciador digital de 23 anos.

Ramon estava no auge, mas questões familiares, comentários negativos em seus vídeos e a invasão de sua privacidade por alguns seguidores o fizeram sucumbir.

O influenciador, que meses antes participava de eventos importantes e fazia publicidade para grandes marcas, passou a ficar prostrado em casa e sem perspectiva sobre o futuro.

“Fui diagnosticado com depressão profunda. Cheguei a dormir de 16 a 18 horas em um dia, porque tudo o que mais queria era dormir”, diz à BBC News Brasil.

Ramon desapareceu das redes, e os seguidores ficaram preocupados.

Ali começava um dos períodos mais difíceis da sua vida.

Foram cerca de sete meses sumido da internet. Agora, está de volta, diz que se recuperou e que quer viajar pelo mundo.

Fenômeno nas redes

Desde a infância, Ramon costumava gravar momentos de sua vida. Começou a publicar vídeos na internet por volta de 2013 ou 2014, na extinta rede Vine.

Ele também tem canal no YouTube e está no TikTok desde que a rede social foi lançada.

Mas o sucesso só veio mesmo no ano passado, depois de Ramon se mudar de Guarulhos, na Grande São Paulo, onde nasceu, para Ilhéus, na Bahia.

“Eu fui criado pelo meu pai em São Paulo e quis ficar mais perto da minha mãe, que mora em Ilhéus”, conta.

Na Bahia, ele passou a morar sozinho em uma casa pequena e se sentiu livre pela primeira vez falar abertamente que é homossexual, pois diz que alguns de seus familiares não aceitavam a sexualidade dele.

“Eu fui dar o meu primeiro beijo com 21 anos, porque morria de medo de ser quem eu era”, diz o influenciador.

Em Ilhéus, ele trabalhava como garçom de um restaurante e fazia trabalhos como editor de vídeos.

No primeiro vídeo de maior repercussão, ele contou por que decidiu se mudar para a Bahia.

A partir de então, ganhou cada vez mais seguidores com clipes em que falava de sua rotina em casa, do trabalho como garçom e ensinava receitas baratas. Seu jeito irreverente nos vídeos conquistou o público.

“Acho que o mundo da internet e de influenciadores tem muita gente com uma realidade inalcançável, sabe? O pessoal já é muito rico. Eu olhava e pensava: não consigo me identificar”, diz.

“Então, acho que muitas pessoas foram se identificando com as coisas que fui mostrando.”

Ramon começou a ser procurado por marcas para fazer publicidade.

“Usei o dinheiro do meu primeiro grande trabalho para a internet, que foi R$ 6 mil, para pagar as minhas contas acumuladas”, diz.

Ele fez publicidades para grandes marcas, como Casas Bahia, Latam e Fugini.

O jovem se tornou um dos nomes de maior sucesso do TikTok no Brasil e foi eleito em dezembro de 2022 em uma premiação da própria plataforma, por meio de votação popular, como o “produtor de conteúdo do ano”.

Mas algo não ia bem. Os primeiros sinais ficaram mais evidentes no mesmo mês em que ganhou o prêmio do TikTok, enquanto fazia uma viagem internacional que tanto havia sonhado.

Foi quando ele decidiu sumir das redes.

Os problemas em meio ao auge

Ramon costumava compartilhar vídeos quase diariamente. Mas não publicou nada entre meados de dezembro do ano passado e janeiro deste ano.

A ausência preocupou seus seguidores. Cerca de um mês depois, Ramon apareceu para explicar que havia se afastado por problemas de família e retomou a publicação de novos vídeos.

Nas redes, ele relatou um episódio em que diz ter sido vítima de agressões do irmão mais velho. “Ele fez um contrato de que 25% de tudo que ganhei e vou ganhar no resto da vida tenho que dar para ele”, contou. Ramon disse que se recusou a assinar o documento e foi agredido.

A BBC News Brasil não conseguiu contato com o irmão dele até a conclusão desta reportagem.

Mas os problemas do influenciador não se resumiam a questões familiares.

Ele diz que também estava sofrendo as consequências negativas da fama, como os inúmeros comentários ofensivos que passou a receber sobre sua aparência.

O que aconteceu com Ramon Vitor?

“Quando comecei a ganhar dinheiro, quis comer coisas que antes não podia e acabei engordando”, diz.

“Muitas pessoas faziam comentários sobre meu peso, e isso me incomodava muito, porque fui uma criança gorda e tenho traumas dessa fase.”

Ele também ficou assustado com o assédio dos fãs. O endereço da sua casa foi descoberto, e o lugar se tornou um ponto turístico em Ilhéus para quem segue o influenciador.

“As pessoas iam na porta da minha casa em diferentes horários do dia, até de madrugada, sabe? Eu morava sozinho, minha casa não tinha nem muro na época”, diz Ramon.

“Teve uma vez em que estava dormindo, e a pessoa bateu na minha janela para tirar foto comigo. Também já me perseguiram de moto.”

Ele diz que levava uma vida comum até fazer sucesso nas redes.

“Mas, depois, mudou, comecei a viver um negócio muito louco. E isso foi me deixando com medo também”, conta.

Tinha medo de sair de casa ou de alguma coisa acontecer comigo.”

Em meio a esses episódios, ele decidiu construir um muro em casa. Muitas pessoas continuaram a bater em sua porta mesmo assim.

“Teve um seguidor que foi lá e me pediu de R$ 30 mil a R$ 40 mil. Era um desconhecido”, conta o influenciador.

“Quando falei que não ia dar, ele me ameaçou e disse: ‘Agora, eu sei seu endereço, é melhor ficar esperto’.”

Essas situações, associadas aos problemas familiares e aos comentários ofensivos nas redes, desestimularam Ramon a continuar gravando os vídeos.

“Sempre recebi muitas mensagens bonitas e demonstrações de carinho. Tenho certeza de que muita gente gosta de mim”, diz.

“Mas entendi que chega um ponto em que você alcança muita gente e não dá para ter controle.”

Depressão e Síndrome do Pânico

Em maio, Ramon sumiu de vez das redes. “Tudo foi se acumulando. Eram as coisas na minha família, as situações ruins com os seguidores e o medo de sair de casa. Você passa a se sentir inseguro.”

Ele conta que foi diagnosticado com depressão e síndrome do pânico. Chegou a ficar dias sem tomar banho e, em alguns períodos, sequer conseguia levantar da cama.

“Cheguei a um ponto em que eu, que sempre tive muito zelo e cuidado com as minhas coisas, demorei três meses para arrumar minha casa”, diz.

“Às vezes, deitava para dormir, e um rato passava do meu lado.”

Nas redes, uma pergunta se tornou comum entre quem acompanhava o influenciador: o que aconteceu com o Ramon?

Em seus perfis, o influenciador recebeu inúmeras mensagens perguntando o que havia acontecido com ele. Diversos vídeos e teorias tentavam explicar seu sumiço.

Ramon diz que evitava olhar as redes sociais nesta época, mas que ficava chateado quando via alguma mentira sobre seu paradeiro.

“Chegaram a dizer que sumi porque estava com câncer.”

Retorno às redes

Um passo de cada vez. É assim que Ramon define o seu retorno às redes sociais.

Ele passou a fazer acompanhamento psicológico e psiquiátrico. Começou a praticar atividades físicas e a retomar sua rotina.

Aos poucos, foi melhorando. “Voltei a me cuidar”, diz.

Ramon diz que uma das coisas de que mais se orgulha foi quando conseguiu terminar a limpeza da própria casa.

No período em que esteve afastado das redes, ele não fez nenhuma ação publicitária. “Tinha até três trabalhos já fechados para fazer, mas cancelei”.

“Não tinha dinheiro do mundo que pagava o que eu estava passando. Então fiquei sete meses sem trabalhar”, diz. Ele afirma que conseguiu viver nesse período com o dinheiro que havia acumulado com a recente fama.

Ramon voltou às redes nesta semana, quando compartilhou um vídeo para anunciar o seu retorno e contar sobre os problemas que enfrentou.

Em poucos dias, o vídeo teve mais de 12 milhões de visualizações no TikTok e mais de 3 milhões de curtidas. Nos comentários, muitas pessoas manifestaram apoio a ele.

“Na real, eu nunca quis parar de gravar, porque isso sempre foi o meu sonho. Eu me sinto realizado me comunicando com as pessoas”, diz.

“Realmente parei porque não conseguia. Então, quando me senti preparado para voltar, pensei: é agora.”

Ramon calcula que ganhou desde então mais de 1 milhão dos 13,3 milhões dos seguidores que tem hoje TikTok e mais de 500 mil dos 3,1 milhões de seguidores no Instagram.

Ele segue em tratamento e diz que quer começar uma nova fase em sua vida.

O influenciador diz que quer viajar pelo mundo e compartilhar essa rotina com seus seguidores.

No Natal, ele estará na Finlândia, junto com amigos, para ver pessoalmente o céu tingido por faixas cintilantes de cores pelo fenômeno da aurora boreal.

“Também quero fazer trabalho voluntário na África, ensinar inglês para as pessoas de lá ou procurar algum trabalho com animais silvestres”, diz.

Ele diz que não tem planos, ao menos por enquanto, de voltar para Ilhéus, onde sua mãe ficou responsável por cuidar da sua casa.

“É muito bom saber que as coisas estão dando certo agora. As pessoas estão felizes que estou de volta.”

Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo