Política

Presidente da Federação Paulista acusa Helder Barbalho de usar cargo para interferir na eleição da CBF

Reinaldo Carneiro Bastos, presidente da Federação Paulista de Futebol e candidato a presidente da CBF desde a saída de Ednaldo Rodrigues, destituído do cargo em 7 de dezembro por decisão judicial, disse a representantes de clubes que Helder Barbalho (MDB), governador do Pará, está usando a máquina do estado para interferir na disputa pelo comando da entidade máxima do futebol brasileiro.

Em gravação de reunião obtida pelo Painel, Bastos afirma que Helder estaria pressionando e ameaçando presidentes de clube e de federação do estado para que não o apoiem. O presidente da FPF diz que o governador do Pará é próximo de Fernando Sarney, filho do ex-governador do Maranhão e atual vice-presidente da CBF, indicando que Helder estaria atuando em favor dele.

Como mostrou o Painel, Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, tem atuado para que Fernando Sarney seja o novo presidente da CBF.

“O Paysandu, o Maurício [Ettinger, presidente do clube] é paulista, conhece o trabalho de São Paulo, está encolhido, porque o governador do Pará, a mesma coisa que ele fez com o Ricardo [Gluck Paul, presidente da Federação Paraense de Futebol] —que aliás estava com a gente também, eram 10 [apoios à candidatura] com o Pará—, está fazendo uma pressão enorme nele”, disse Bastos em reunião com representantes de clubes da Liga Forte União na terça-feira (26).

Ele ainda diz que Barbalho e Sarney “são muito amigos”.

“O que ele fez com o Ricardo [Gluck Paul] na federação do Pará é uma tristeza enorme, de grosseria, não tem mais R$1 para a federação, parece que a esposa dele tem um cargo público interessante, uma profissional competente. Ameaçou e, em resumo, ele não resistiu”, completou.

Quem ocupa cargo público relevante sob influência mais direta do governador é, na verdade, a irmã de Ricardo, Ana Carolina Gluck Paul, procuradora-geral adjunta do Pará. Luciana Gluck Paul, advogada e esposa de Ricardo, é professora da Universidade Federal do Pará e vice-presidente da OAB do Pará.

A inscrição de candidatura para a presidência da CBF requer o apoio declarado de pelo menos cinco clubes e pelo menos oito federações estaduais. Bastos tem buscado essas alianças.

Em nota, o governador Helder Barbalho nega “qualquer tipo de participação em conversas ou candidaturas aos cargos da CBF”.

Procurado pelo Painel, Bastos não quis se manifestar.

A coluna procurou Gluck Paul por telefone e por mensagens de celular. Por telefonema, ele disse que estava fora do país e que a ligação estava ruim. Ele não respondeu às mensagens sobre o tema.

A coluna não conseguiu contato com Mauricio Ettinger, presidente do Paysandu.

LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo