Saúde

Principal causa de morte relacionada ao álcool pode passar despercebida por anos

A doença hepática relacionada ao álcool é a principal causa de morte por consumo excessivo de álcool —e, embora seja curável nos estágios iniciais, muitas pessoas não percebem que a têm até ser tarde demais para reverter.

As mortes anuais causadas pela doença estão aumentando nos Estados Unidos, tendo subido 39% nos últimos anos, de acordo com novos dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças. As taxas de mortalidade são mais altas em homens e adultos com idades entre 50 e 64 anos, embora estejam aumentando mais rapidamente entre mulheres e adultos mais jovens.

“As pessoas que estão bebendo estão bebendo mais pesadamente do que antes, então acho que esse é o maior fator”, diz Jessica Mellinger, professora assistente de gastroenterologia e hepatologia na Escola de Medicina da Universidade de Michigan. E, acrescentou, “estamos vendo que, pela primeira vez neste país, as mulheres estão bebendo tanto quanto os homens.”

O QUE É A DOENÇA HEPÁTICA RELACIONADA AO ÁLCOOL?

A primeira fase da doença é a esteatose hepática, ou doença hepática gordurosa. Isso acontece quando a gordura começa a se acumular no fígado, que é responsável por metabolizar o álcool. Na segunda fase, o consumo excessivo de álcool ativa o sistema imunológico do corpo, causando inflamação no fígado.

“As duas principais maneiras de danificar o fígado são colocando gordura nele e depois adicionando inflamação à gordura”, afirma Mellinger.

Se esse dano continuar, um tecido cicatricial pode se acumular no fígado, levando à terceira fase, cirrose. Aproximadamente 20% das pessoas com doença hepática gordurosa relacionada ao álcool progredirão para cirrose.

Algumas pessoas também desenvolvem hepatite associada ao álcool, que é uma inflamação grave do fígado. Isso ocorre com mais frequência em pessoas com cirrose, mas pode acontecer em qualquer estágio se as pessoas estiverem bebendo muito (oito a dez bebidas por dia). Tanto a cirrose hepática quanto a hepatite associada ao álcool podem ser fatais.

O QUE CAUSA ISSO?

O risco de doença hepática relacionada ao álcool aumenta quando as pessoas bebem mais do que os limites recomendados: sete bebidas por semana para mulheres e 14 para homens. O risco aumenta substancialmente para mulheres que consomem regularmente mais de três bebidas por dia e homens que têm mais de quatro bebidas por dia, diz Sasha Deutsch-Link, uma fellow em gastroenterologia e hepatologia na Escola de Medicina da Universidade da Carolina do Norte em Chapel Hill. (Porque as mulheres metabolizam o álcool de forma diferente dos homens, elas têm um maior risco de doença se beberem a mesma quantidade.)

Nesse nível de consumo de álcool, estima-se que 90% das pessoas tenham depósitos de gordura em seus fígados. A gordura pode começar a se acumular rapidamente —em alguns casos, após apenas seis meses de consumo pesado, diz Rohit Loomba, chefe de gastroenterologia e hepatologia na UC San Diego Health.

A cirrose leva anos ou décadas para se desenvolver. Como resultado, a doença hepática grave é mais comum em adultos mais velhos, embora Deutsch-Link tenha dito que já viu pessoas de 20 anos com cirrose ou hepatite associada ao álcool.

Condições metabólicas, como obesidade, diabetes ou hipertensão, também podem danificar o fígado. Isso coloca as pessoas “em maior risco de progredir para doença hepática mais rapidamente com níveis mais baixos de consumo de álcool”, diz Deutsch-Link. A piora da saúde metabólica entre os americanos pode ser outra razão para o aumento das mortes por doença hepática relacionada ao álcool.

QUAIS SÃO OS SINAIS DE DANOS NO FÍGADO?

Não há sintomas nos estágios iniciais da doença hepática relacionada ao álcool, o que torna difícil identificá-la. “A maioria das pessoas que podem estar a caminho de desenvolver cirrose nem sequer sabe disso”, diz Loomba.

Quando as pessoas são diagnosticadas nos dois primeiros estágios, muitas vezes é porque os exames de sangue revelaram uma função hepática anormal. Esses testes podem ser feitos como parte da triagem metabólica de rotina, ou um médico pode recomendá-los se estiver preocupado com o consumo de álcool de um paciente. Se os níveis de enzimas hepáticas de alguém estiverem anormais, uma ultrassonografia ou ressonância magnética pode determinar em que estágio da doença hepática a pessoa está.

No entanto, a doença hepática é detectada apenas quando sintomas alarmantes aparecem nos estágios finais. Um paciente pode ter fluido significativo e inchaço no abdômen, começar a vomitar sangue ou desenvolver icterícia.

COMO É TRATADA A DOENÇA HEPÁTICA RELACIONADA AO ÁLCOOL?

Como o fígado pode se regenerar, os dois primeiros estágios da doença hepática podem ser revertidos se o paciente parar de consumir álcool.

“O mais importante é parar de usar álcool para esses pacientes”, diz Deutsch-Link. Para ajudar com isso, muitas clínicas oferecem tratamento para transtorno do uso de álcool, incluindo terapia, programas em grupo ou medicamentos para reduzir a vontade de beber.

Uma vez que alguém tem cirrose, “na maioria das vezes, isso é considerado irreversível”, afirma Robert Wong, professor associado clínico de gastroenterologia e hepatologia na Escola de Medicina da Universidade de Stanford. “E uma vez que você chega à cirrose, você está em um risco muito maior de complicações, progressão, câncer de fígado e, é claro, morte, infelizmente.”

No entanto, Loomba observou que mesmo com cirrose, se as pessoas pararem de beber, “o risco de morrer de cirrose no próximo ano diminui significativamente.”

Se você está preocupado com a saúde do seu fígado, os especialistas dizem que o primeiro passo é falar com um médico e perguntar sobre testes de função hepática. O objetivo é detectar quaisquer problemas o mais cedo possível.

Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo