Política

Prisão de Brazão é mantida pela Câmara por 277 a 129 votos; veja como cada deputado votou

A Câmara dos Deputados votou nesta quarta-feira (10) por manter a prisão do deputado federal Chiquinho Brazão (sem partido-RJ), suspeito de ser um dos mandantes do assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e do motorista Anderson Gomes.

Foram 277 votos a favor e 129 contra, além de 28 abstenções. Preso em 24 de março, Brazão foi expulso da União Brasil. A detenção ocorrida no exercício do mandato precisava ser referendada pela Casa a que o parlamentar pertence —Câmara ou Senado.

O ex-conselheiro do TCE (Tribunal de Contas do Estado) do Rio de Janeiro Domingos Brazão, irmão do parlamentar, e o delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil fluminense, também foram presos. A Polícia Federal ainda cumpriu 12 mandados de busca e apreensão, todos no estado.

Horas antes, a CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) da Casa já havia avalizado a manutenção da reclusão do deputado. Foram 39 votos favoráveis, 25 contrários e 1 abstenção após cerca de cinco horas de discussão.

O deputado Darci de Matos (PSD-SC), relator do pedido na comissão, já havia apresentado parecer favorável à prisão. Para ele, o julgamento no colegiado “é jurídico, mas também é político, porque somos uma Casa política”, e que Brazão “cometeu crime continuado, obstruindo a Justiça o tempo todo”.

Veja como cada parlamentar votou no pedido de prisão de Chiquinho Brazão:

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo