Política

Reitora de Harvard pede desculpas após escândalo antissemita

Reitora da Universidade de Harvard, Claudine Gay (foto) pediu desculpas pelos comentários que fez durante audiência no Congresso americano sobre o antissemitismo na instituição em meio à guerra entre Israel e o Hamas.

Na terça-feira, 5, reitoras de três das mais importantes universidades dos EUA chocaram o mundo ao se recusarem a classificar, de forma clara e categórica, que pedidos de “genocídio de judeus” fossem classificados como “assédio” e passíveis de investigação e punição.

“Sinto muito”, disse Claudine Gay em entrevista ao jornal estudantil The Harvard Crimson.

“O que eu deveria ter feito naquele momento era retornar à minha verdade orientadora, que é que os apelos à violência contra a nossa comunidade judaica – ameaças aos nossos estudantes judeus – não têm espaço em Harvard e nunca permanecerão incontestados.”

A declarações evasivas de Claudine Gay e das reitoras Mary Elizabeth “Liz” Magill (Penn) e Sally Kornbluth (MIT) sobre a condenação ao discurso de ódio contra judeus nas universidades que presidem causaram espanto e revolta.

Como mostramos, as presidentes das instituições estão sob fogo cruzado. O episódio desencadeou vários pedidos de renúncia e intensas críticas da comunidade acadêmica, conselheiros e doadores.

Leia também: “Antissemitismo institucional”

Matéria: O Antagonista

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo