Esporte

Santos é rebaixado pela primeira vez no Brasileiro

Pela primeira vez em sua história, o Santos foi rebaixado para a segunda divisão do Campeonato Brasileiro.

Para ficar na primeira divisão sem depender de outros resultados, o time praiano precisava vencer o Fortaleza na última rodada, mas perdeu por 2 a 1. O segundo gol do time nordestino saiu nos acréscimos do segundo tempo, e o árbitro encerrou a partida logo depois.

A equipe paulista chegou à ultima rodada ainda com chances de se salvar, mas a vitória do Bahia em cima do Atlético-MG e a do Vasco sobre o Bragantino sacramentaram a primeira queda da agremiação.

O Santos terminou a competição na 17ª posição, com 43 pontos. O Bahia ficou em 16º, com 44 pontos, e o Vasco, em 15º, com 45.

Após o apito final, os jogadores deitaram no gramado, muitos deles chorando, incluindo o treinador Marcelo Fernandes. Nas arquibancadas, diversos torcedores também choravam, desolados, enquanto outra parcela da massa de aficionados protestava contra o desempenho do time, com gritos de “vergonha”.

Nos arredores do estádio, torcedores também entraram em confronto com a polícia, que fez a dispersão com bombas de gás lacrimogêneo. Ônibus foram queimados na cidade.

No primeiro ano após a morte do Rei Pelé, com o campeonato inclusive recebendo a alcunha de Brasileirão Rei em homenagem ao eterno camisa 10, o time da Vila Belmiro teve uma temporada marcada por fracassos em série dentro e fora de campo.

O ano trágico para a equipe do litoral teve eliminações precoces no Campeonato Paulista, na Copa Sul-Americana e na Copa do Brasil. No Brasileiro, o time da Vila Belmiro ainda sofreu uma goleada de 7 a 1 para o Internacional.

A primeira queda da formação praiana para a Série B entra na conta da gestão do presidente Andres Rueda. Na avaliação dos críticos, faltaram critério e planejamento na contratação de jogadores e treinadores. Desde que o dirigente assumiu o clube, em 2021, nove técnicos passaram pelo banco de reservas.

O último balanço financeiro indica ainda que não é apenas dentro das quatro linhas que a equipe praiana tem sofrido com a má administração. O balancete referente ao segundo trimestre de 2023 mostrou que o clube somava uma dívida de aproximadamente R$ 700 milhões em junho, após apresentar um deficit de R$ 10,2 milhões no período.

O último título foi o Paulista de 2016. E a falta de títulos —uma das principais fontes de receita, com as respectivas premiações— impede que o clube consiga elaborar um plano para equacionar as dívidas. No estadual deste ano, por exemplo, a previsão era de arrecadação de R$ 1,6 milhão, com classificação às finais. A queda precoce, com a 11ª colocação, rendeu aos cofres apenas R$ 180 mil.

O rebaixamento foi o último ato de Rueda à frente da agremiação. No próximo sábado (9), o Santos elege o presidente do clube pelos próximos três anos, em mandato de 2024 a 2026. Cinco postulantes disputam o cargo: Ricardo Agostinho, Wladimir Mattos, Rodrigo Marino, Maurício Maruca e Marcelo Teixeira.

Com a queda do Santos, agora restam apenas São Paulo, Flamengo e Cuiabá como os times da elite do futebol brasileiro que nunca foram rebaixados para a segunda divisão na história.

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo