Economia

Sem Risco Fiscal, Real Estaria A R$ 5,10

Qual o peso do risco fical?

Sem esses riscos, o real teria perdido no ano 5,1% de seu valor por conta das turbulências externas. Mas nesta quarta-feira (3), conforme a PTax (a taxa média diária do dólar, calculada pelo Banco Central), as perdas são de 13,3% desde o começo do ano.

Dos 15% que o dólar subiu este ano, oito pontos são devido a fatores domésticos, cinco por conta de razões internacionais e o restante por motivos difusos. Os cálculos são do economista da gestora, Fernando Fenolio.

Se o dólar não tivesse se valorizado globalmente esse ano e sem os problemas fiscais, a moeda americana deveria ser cotada, hoje, a R$ 4,90
Fernando Fenolio, economista da WHG

Mesmo com ventos internacionais fortes, o fator de maior propulsão, segundo ele, é o risco fiscal. “Não estamos no máximo de risco. Já estivemos piores, em 2021 e 2022 e no tempo da Dilma (a ex-presidente Dilma Roussef). Mas estamos em acendencia”, diz Fenolio.

Por que a situação fiscal piora o câmbio?

O déficit público é um problema antigo. Nos 30 anos após a implementação do Plano Real, o país teve cerca de 15 anos de contas públicas no azul e 15 no vermelho, segundo Alex Agostini, economista-chefe da Austin Rating.

Matéria: UOL Economia

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo