Saúde

Sentir-se sempre meio baixo-astral pode ser sinal de distimia

Quando Amanda Stern chegou aos seus 40 e poucos anos, ela já não sofria mais de depressão clínica. E seus ataques de pânico, que começaram na infância, haviam desaparecido em grande parte. Mas, em vez de se sentir mais feliz, ela disse: “Eu me sentia envolvida por uma tristeza infinita e plana”.

Confusa, ela procurou seu terapeuta, que sugeriu que ela tinha distimia, uma versão leve do transtorno depressivo persistente, ou TDP.

Stern, uma autora baseada na cidade de Nova York, frequentemente escreve sobre saúde mental, mas nunca tinha ouvido falar do termo. Logo percebeu que havia experimentado a distimia de forma intermitente por décadas. “Não estou sofrendo com isso agora”, acrescentou, “mas imagino que vou conviver com isso novamente”.

Ela decidiu escrever sobre isso em seu boletim informativo, How to Live, descrevendo como era existir em um “estado constante de ‘vazio'” e compartilhando as ferramentas que eventualmente a ajudaram a se sentir melhor.

Não se sabe bem por que alguns casos de depressão persistem, mas o The New York Times pediu a especialistas que compartilhassem o que sabem sobre o TDP.

O que é o transtorno depressivo persistente?

O transtorno depressivo persistente é uma depressão crônica que dura pelo menos dois anos em adultos. Como acontece com muitos tipos de doenças mentais, existem diferentes níveis de gravidade.

O termo “distimia”, uma palavra grega que pode significar “baixo-astral”, “mudança de humor” ou “desânimo”, não está mais incluído no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais, ou DSM, mas ainda é usado por alguns profissionais de saúde mental para se referir à forma mais leve do TDP.

Marnie Shanbhag, diretora sênior de prática independente da Associação Americana de Psicologia, disse que o TDP menos grave muitas vezes é diagnosticado quando as pessoas procuram terapia para outro problema, como problemas conjugais ou estresse no trabalho, e revelam que sentem uma tristeza constante, falta de emoção ou apatia emocional.

Pode não parecer haver uma razão para isso. “Você está apenas meio ‘meh'”, disse Shanbhag. “E você se acostuma a ficar assim”.

Para Stern, a depressão clínica “me derruba. Não consigo sair da cama, tomar banho, comer ou passear com meu cachorro”. Com a distimia, no entanto, ela ainda consegue funcionar. Ela pode não querer lavar a louça, por exemplo, mas não se sentirá “aniquilada” pela tarefa.

Aqueles que têm a forma mais grave do TDP, referida no passado como transtorno depressivo maior crônico, podem ser incapazes de sair da cama após uma noite de insônia, perder o apetite, ter tanta dificuldade de concentração que não conseguem realizar seu trabalho ou se sentir muito exaustos para limpar a casa ou preparar o jantar, disse o Dr. Paul Appelbaum, professor de psiquiatria da Universidade Columbia e líder do grupo responsável pelas revisões do DSM.

Estima-se que cerca de 2% dos adultos nos Estados Unidos tenham tido alguma forma de TDP no último ano, e acredita-se que seja mais comum entre as mulheres do que entre os homens. No entanto, é difícil saber sua extensão completa, porque os especialistas dizem que o transtorno tende a ser subdiagnosticado.

Como é feito o diagnóstico?

O TDP é diagnosticado em adultos que relatam sentir-se deprimidos “a maior parte do dia, na maioria dos dias”, por pelo menos dois anos, disse Appelbaum. E se eles encontrarem alívio de seus sintomas, acrescentou, isso não dura mais do que dois meses.

Crianças e adolescentes também podem ter TDP. (Para fazer um diagnóstico, disse Appelbaum, os sintomas precisarão ter durado pelo menos um ano).

“Assim como outras formas de depressão, ele causa sofrimento ou prejuízo significativo e está associado a um risco aumentado de suicídio“, disse Appelbaum.

Os pacientes com o transtorno também experimentarão pelo menos dois dos seguintes sintomas:

  • Pouco apetite ou comer demais
  • Insônia ou sonolência excessiva durante o dia
  • Baixa energia ou fadiga
  • Baixa autoestima
  • Dificuldade de concentração ou tomada de decisões
  • Sentimentos de desesperança

Como é tratado?

O TDP é geralmente tratado com terapia e antidepressivos.

Não há cura, mas as pessoas podem se tornar “livres de sintomas, e a intensidade das recorrências, se houver, pode ser minimizada”, disse Appelbaum.

Como o TDP pode ser de longa duração —e nem sempre interfere na vida cotidiana do paciente— aqueles que têm o transtorno podem assumir que seus sintomas depressivos mais leves são simplesmente traços de personalidade.

“É difícil convencer as pessoas de que elas não são apenas a pessoa negativa em sua família ou a pessoa que sempre vê o lado ruim das coisas”, disse a Dra. Jessi Gold, uma psiquiatra em St. Louis. Mas se alguém está sofrendo ou apresentando sintomas que interferem na vida diária, faz sentido buscar tratamento em vez de simplesmente dizer: “É assim que eu sou”, acrescentou.

Stern pode se identificar. Quando pessoas próximas perguntavam como ela estava, ela dizia que estava bem, mas, segundo ela, “uma tristeza profunda surgia, me mostrando que eu não estava nada bem”.

Ela instou aqueles que se sentem consistentemente desmotivados, apáticos ou sem interesse nas coisas que antes gostavam a procurar ajuda. “Você pode se sentir sozinho, mas não está”, disse ela.

Este artigo foi originalmente publicado no The New York Times.

Informação

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo