Economia

Taxas de CDBs prefixados pisam no acelerador e atingem 1,14% ao mês

As taxas dos CDBs prefixados seguem em alta, enquanto os ativos bancários acompanham o movimento dos títulos públicos. Ao mesmo tempo, os pós-fixados devolveram parte do prêmio depois que o mercado passou a precificar a manutenção da Selic em 10,50% ao ano.

Um levantamento feito pela Quantum Finance a pedido do InfoMoney mapeou 235 CDBs emitidos entre 5 e 19 de junho. O resultado pôde ser comparado com o levantamento anterior, que analisou as emissões entre 21 de maio e 4 de junho. 

Receba até 200% acima da poupança tradicional sem abrir mão da segurança.

Continua depois da publicidade

CDBs prefixados

Na última quinzena analisada, a remuneração dos títulos bancários com taxas fixas desde a emissão chegou a 13,70% ao ano, o equivalente a cerca de 1,14% ao mês. 

Esses títulos são indicados por Felipe Martins Passero, sócio da InvestSmartXP, para investimentos de prazo intermediário, entre um ano e meio de três anos, já que, na opinião do especialista, “é improvável que um Banco Central mais político suba juros em ano eleitoral”. 

As altas nos juros foram maiores nos prazos mais longos. Os prefixados de 36 meses passaram a pagar, em média, 12,40% ao ano contra 11,94% no levantamento anterior. A taxa média dos papéis de 24 meses subiu de 10,79% para 11,32%. 

Continua depois da publicidade

Retornos de CDBs prefixados de 05 a 19 de junho:

Prazo (meses) Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
3 11,75% 11,75% 11,75% 1 Santander Brasil
6 9,70% 10,08% 10,90% 6 ABC Brasil
12 10,35% 11,02% 12,00% 5 Sinosserra Financeira
24 10,90% 11,32% 11,80% 4 Haitong Brasil
36 11,65% 12,40% 13,70% 28 C6 Consignado
Fonte: Quantum Finance

CDBs pós-fixados

Com a perspectiva de uma Selic alta por mais tempo do que o mercado precificava anteriormente, as taxas dos pós-fixados caíram em quatro dos cinco vencimentos levantados. Destaque para a taxa média dos pós-fixados de 12 meses, que caiu de 100,86% do CDI para 98,83%. Já a remuneração média dos CDBs pós-fixados de 24 meses recuou de 103,44% do CDI para 102,22%. 

A exceção foi a taxa média dos pós-fixados mais longos, com vencimento em pelo menos 36 meses, que subiu de 101,32% do CDI para 102,79% da taxa de referência. 

Continua depois da publicidade

Passero diz que os pós-fixados são boas opções para aproveitar o novo cenário da política monetária brasileira, e que “funcionam bem para prazos de até 24 meses, considerando a pausa no ciclo de corte de juros”. 

O número de emissões aumentou de 136 para 168 papéis. 

Retornos de CDBs indexados ao CDI de 05 a 19 de junho:

Continua depois da publicidade

Prazo (meses) Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
3 97,50% 99,67% 106,00% 33 BancoSeguro
6 97,50% 102,22% 107,00% 31 BancoSeguro
12 90,00% 98,83% 104,75% 38 Banco PAN
24 95,00% 101,01% 115,00% 38 C6 Bank
36 97,50% 102,79% 115,50% 28 Banco Original
Fonte: Quantum Finance

CDBs de inflação 

Com taxas mais voláteis, os ativos bancários atrelados ao IPCA também passaram a pagar mais na última quinzena. O juro real médio dos títulos de 24 meses subiu de 5,26% para 6%, com 11 emissões. Já a média de remuneração dos papéis mais longos, de 36 meses, saiu de 5,45% para 5,98%. 

Nas últimas semanas, houve uma abertura das curvas de juros, o que fez com que as remunerações oferecidas pelos emissores bancários seguissem essa tendência”, explica Vinicius Romano, especialista em renda fixa da Suno Research. 

Retornos de CDBs indexados à inflação (IPCA) de 05 a 19 de junho:

Continua depois da publicidade

Prazo (meses) Taxa mínima Taxa média Taxa máxima Número de títulos Emissor da maior taxa
24 5,40% 6,00% 6,40% 11 Haitong Brasil
36 5,20% 5,98% 6,49% 12 Haitong Brasil
Fonte: Quantum Finance

Infomoney

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo