Tecnologia

The Intercept e mais dois veículos de mídia processam OpenAI por violar direitos autorais

Os veículos de comunicação The Intercept, Raw Story e AlterNet processaram a OpenAI, dona do ChatGPT, por violação de direitos autorais, na quarta-feira (28).

Com isso, as empresas se juntam a outros que contestam os métodos da OpenAI de coletar conteúdo da internet para treinar seu chatbot alimentado por inteligência artificial. O jornal The New York Times é outro que está processando a companhia de tecnologia.

As publicações online entraram com a ação em um tribunal federal de Nova York em dois casos separados, alegando que o criador do ChatGPT treinou seu chatbot usando obras protegidas por direitos autorais de jornalistas sem creditá-los ou citá-los adequadamente.

As empresas buscam indenizações no valor de pelo menos US$ 2.500 (R$ 12.463) por violação, além de pedir à OpenAI que retire todos os artigos protegidos por direitos autorais dos conjuntos de dados de treinamento.

O site The Intercept também processou a Microsoft, uma parceira da OpenAI que desenvolveu seu próprio chatbot chamado Bing com as mesmas informações protegidas por direitos autorais, de acordo com o processo.

“É hora das organizações jornalísticas se defenderem contra as contínuas tentativas das Big Tech de lucrar com o trabalho de outras pessoas”, disse John Byrne, CEO e fundador da Raw Story, que é proprietária da AlterNet, em comunicado. “As big techs devastaram o jornalismo. É hora dos publishers tomarem uma posição.”

A OpenAI e a Microsoft não responderam imediatamente a um pedido de comentário. Mas no passado, a OpenAI disse que queria trabalhar com os editores para assegurar que eles também pudessem se beneficiar da IA e de novos modelos de receita.

Em setembro de 2023, a Microsoft afirmou que cobriria os custos legais quando o uso de seus produtos de IA pelos clientes causasse preocupações com direitos autorais e reiterou seu compromisso com as obras protegidas dos autores.

O The Intercept também não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Os processos seguem a ação do The New York Times em dezembro contra a OpenAI e a Microsoft por motivos semelhantes. Na segunda-feira (26), a OpenAI entrou com um pedido no tribunal para rejeitar alguns dos pontos principais da ação do The New York Times.

A IA generativa causou impacto ao longo do último ano, à medida que novos geradores de texto e imagem criaram textos, imagens e vídeos cada vez mais realistas ou humanos. Mas também gerou grandes preocupações em relação ao uso de obras protegidas por direitos autorais para treinar os algoritmos de IA, bem como sua capacidade de recriar performances artísticas.

A tecnologia se tornou uma questão importante para atores e escritores nas negociações sindicais de Hollywood no ano passado, e autores e outros processaram as empresas de IA por suas práticas.

Os três veículos de comunicação que processaram a OpenAI na quarta-feira são exclusivamente digitais. Eles citaram a Lei de Direitos Autorais do Milênio Digital, que impede a remoção do crédito ao autor e título de obras protegidas.

“O jornalismo protegido por direitos autorais da Raw Story é resultado de esforços significativos de jornalistas humanos que reportam as notícias”, afirmou Roxanne Cooper, editora da Raw Story, em comunicado. “Em vez de licenciar esse trabalho, a OpenAI ensinou ao ChatGPT a ignorar os direitos autorais dos jornalistas e a ocultar seu uso de material protegido por direitos autorais.”

Folha de São Paulo

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo