Esporte

Último título? De saída para o Real Madrid, Endrick diz que é um “até logo” ao Palmeiras

O atacante Endrick foi um dos destaques do Palmeiras no Campeonato Paulista e recebeu dois prêmios nesta segunda-feira: o de melhor atacante e de craque do campeonato. Ao receber o prêmio da Federação Paulista de Futebol, o camisa 9 evitou falar em despedida e disse que saída para o Real Madrid é apenas um “até logo” ao Verdão.

“É um privilégio para mim estar aqui. No ano passado vi da TV, o Veiga ganhando três troféus. Fiquei muito grato pela minha família porque eles sempre estiveram comigo, pelo professor, pela Leila e todo estafe. Creio que não é uma despedida, é um até logo. Fico feliz pelo título, mas para mim, eu não sou decisivo, é todo o grupo. Se não fosse eles, não estaria aqui em cima. Sou um garoto que reconheço o que o Palmeiras fez por mim. Quando não era ninguém estava comigo, quando não tinha nada estava comigo e apostou tudo em mim”, disse.

“Devo isso tudo ao Palmeiras a todos que estiveram comigo do meu lado em todos os momentos. Minha família, ao estafe do Palmeiras e ao professor Abel, principalmente, que foi um cara excepcional na minha vida e agradeço a a Deus por ter sido meu primeiro treinador. Soube esperar a hora certa. Sempre me chamava e falava que ia ser no tempo de Deus. A questionado último campeonato pelo Palmeiras foi maravilhoso para mim”, seguiu.

Endrick foi convocado por Dorival Júnior para os amistosos da Seleção Brasileira contra Inglaterra e Espanha no último mês. O atacante fez dois gols, um em cada jogo. No período em que esteve lá, se juntou aos atacantes Vinícius Júnior e Rodrygo, futuros companheiros no Real Madrid.

No empate por 3 a 3 contra a Espanha, Endrick sofreu pancada na coxa direita, lesão que o atacante ainda trata. Contudo, isso não o impediu de jogar as finais do Paulistão contra o Santos. Ele foi titular nas duas partidas. O camisa 9 estava disposto a jogar mesmo sem estar 100%,

“Quando estava na seleção quando falava com Vini Jr. e Rodrygo e eles perguntavam: ‘quando você vai vir?’ e aí a ficha estava caindo e  isso que me incentivava cada vez mais para quando eu voltasse, não importava o jeito que eu estivesse, eu iria jogar para ajudar o Palmeiras. Isso que fiz e consegui”, finalizou.

O Palmeiras retorna a campo nesta quinta-feira, quando enfrenta o Liverpool (URU), pela segunda rodada da fase de grupos da Libertadores. A bola rola às 21 horas (de Brasília), no Allianz Parque.

Gazeta Esportiva

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo